terça-feira, 25 de julho de 2017

A Origem Secreta da MULHER-MARAVILHA! (Segunda Parte)



 Como vimos na primeira parte, o surgimento da Mulher Maravilha nos quadrinhos é uma mistura de contexto social e vida (s) pessoal (ais).  Se por um lado Superman deve sua origem a conceitos de ficção científica e Batman às histórias de detetive noir, a Mulher-Maravilha tem em sua origem muito mais que questões ligadas aos quadrinhos – ela apresenta uma utopia feminista e a luta pelos direitos das mulheres, bem como protestos sufragistas, contracepção, aborto, relacionamentos controversos, BDSM, etc. 




William Moulton Marston, era um homem carismático, multitalentoso, ambicioso, e um entusiasta sincero do movimento feminista. Mas também era alguém polêmico e contraditório.  Sua ambição era se dedicar a uma vida acadêmica de prestígio. Mas, ao se formar, as coisas não saíram bem como planejado. Marston exerceu várias profissões e tocou alguns negócios ( Escritório de Advocacia, empresa de Engenharia, escritório de Publicidade e comércio de tecidos, como seu pai; entre outros...), fracassando na maioria dos seus projetos. Advogado, pesquisador, professor, romancista, escritor de livros teóricos, publicitário; também se tornou consultor do estúdio Universal durante a transição do cinema mudo para o sonoro.... dentre outras muitas atividades.
 Também foi processado por credores e investigado pelo FBI por um caso de fraude. E a ironia era que o homem que havia ajudado a criar o detector de mentiras e lutava pela verdade...era um bom...mentiroso. "Charlatão-erutido e/ou gênio (nunca consegui chegar a uma conclusão)..."  (Cris Ware).
 Praticamente, por onde ele passava gerava controvérsias por suas ideias nada convencionais sobre a natureza humana (ele não via o homosexualismo e travestismo como desvios) e a relação entre homens e mulheres (para ele, os homens teriam muito mais a ganhar num mundo dominado pelas mulheres). Ele fazia de sua vida ( e a das mulheres de sua vida) experimentos para seus estudos. Estes estudos eram considerados pouco científicos, e, assim, ele se tornou persona non grata no mundo acadêmico.




A primeira tentativa de Marston de marcar seu nome na História foi com a invenção do detector de mentiras. Na verdade, com o teste de detecção de mentiras, no qual se media a pressão sanguínea para avaliar alterações de humor. O teste nunca foi levado a sério por autoridades judiciárias e pela polícia, parte por preconceito pela novidade, parte pelas dúvidas de sua eficácia. Em 1921, um concorrente, John Augustus Larson, teve mais sorte. Seu polígrafo utilizava um conjunto de fatores (pressão sanguínea, pulsação, respiração e condutividade da pele) para saber se alguém estava mentindo. Em pouco tempo, Marston viu o polígrafo de Larson ser adotado por vários departamentos de polícia pelos EUA, enquanto seu teste era desacreditado. Anos depois, ao criar a Mulher Maravilha, ele usuraria o Laço da Verdade como uma metáfora ao seu teste. 




Marston nunca desistiu de promover a eficácia do teste, o que gerou grande repercussão na mídia, mas quase nenhum reconhecimento de fato e pouco retorno financeiro.
Em 1940, já na meia-idade, frustrado profissionalmente, havia anos com a família sendo sustentada pelos empregos mais estáveis de sua esposa Elizabeth, Marston deu uma entrevista para a revista Family Circle. O título era "Don’t Laugh at the Comics" (Não riam dos quadrinhos). Marston enaltecia o potencial educador dos quadrinhos, um fenômeno recente na cultura de massa da época, e que conquistou as crianças (e adultos) e se tornou a maior preocupação de professores e pais. Para muitos, os quadrinhos era violentos, estimulavam a delinquência juvenil e estavam repletos de mensagens subliminares pervertidas. O editor da All-American Publications (que depois se fundiria com outras editoras para formar a DC Comics) Max Gaines ficou tão impressionado com as palavras de Marston que o contratou como consultor. 



Moulton, que já havia sido consultor da Universal Pictures, chamou Harry G. Peter (H. G. Peter foi escolhido a dedo para desenhar a amazona. Nos anos 1910, o desenhista fez parte da equipe artística da revista de humor crítico "Judge" e contribuiu para as páginas sufragistas de "The Modern Woman", que também era ilustrada por Lou Rogers, posteriormente diretora de arte da revista de controle contraceptivo "Birth Control Review") para desenhar a história de sua heroína amazona, que, embora tenha alcançado sucesso entre homens e mulheres de diversas gerações tão logo foi lançada, carregava por trás de sua criação um passado tão controverso que, caso chegasse ao conhecimento de seus editores e de seu público, seria banida para sempre das bancas de jornais. 




 Qualquer um que leia hoje os quadrinhos escritos por Marston vai notar como a Mulher Maravilha era uma personagem à frente do seu tempo. Infelizmente, ao redor dela, não havia muito do que Marston se orgulhar. As histórias da Mulher Maravilha promoviam um feminismo muito particular, no qual apenas a heroína era uma mulher independente, bela, forte e de bom coração. Nenhuma outra personagem feminina chegava aos seus pés, nem suas amigas, nem as vítimas inocentes, e muito menos as vilãs sensuais.  Para piorar, os roteiros de Marston traziam o mesmo racismo e xenofobia de outros quadrinhos da época. Pessoas negras eram retratadas como bonecos de piche, de fala caipira....



 Assim como mexicanos eram quase selvagens. Na grande maioria, os vilões eram estrangeiros, principalmente alemães( representando o nazismo), e chineses e japoneses (o "perigo amarelo").



Apesar dos ataques e críticas, Marston ficou à frente de sua criação até a morte, em 1947. Depois disso, a princesa amazona deixou a controvérsia de lado. O editor Robert Kanigher, que não gostava da personagem, ficou responsável pela revista. A Mulher Maravilha se tornou uma garota comportada. Nas décadas de 50 e 60, o conceito original de Marston foi bastante descaracterizado, e as alusões a qualquer tipo de perversão foram retiradas e as vendas da publicação caíram drasticamente 




O que só foi recuperado, de certa maneira, nos anos 1970, quando a Mulher Maravilha estampou a primeira capa da revista feminista "Ms.", as histórias de Marston  foram reeditadas e lançaram a série de TV com Linda Carter.







Nos quadrinhos, a volta triunfal da Mulher Maravilha se deu pelas mãos do desenhista e roteirista George Perez, em meados dos anos 1980.




 Em 76 anos de existência, entre altos e baixos, o brilho da princesa amazona nunca realmente se apagou. Presente em várias mídias e no imaginário popular por décadas, a Mulher Maravilha se tornou um dos símbolos mais relevantes da cultura pop...Mas, mais fantástico ainda, são os detalhes da vida das MULHERES Maravilhas que a inspiraram.

Marston, antes de de criar a Wonder Woman, vivia desempregado (não ficava em nenhum emprego ou negócio próprio por mais de um ano...). A grande casa aonde moravam em Rye, New York, abrigava 4 crianças (dois filhos de Marston com Elizabeth, e mais dois com Olive), o próprio Marston( que passava grande parte do dia em seu escritório, deitado, escrevendo e bebendo muito), suas duas esposas (Betty usava o tradicional anel de casamento, e Olive seus braceletes como símbolo), e muitas vezes uma terceira mulher - Marjorie W. Huntley...



Foto da família Marston em torno de 1947- William no centro; na extrema esquerda, Marjorie Huntley; na extrema direita: Elizabeth Holloway Marston; a direita, acima, de branco: Olive. Os outros são filhos...



Em 1918, Marston servia ao Exército americano, cuidando de soldados traumatizados depois da guerra, na base Upton, em New York. Marjorie era a bibliotecária da base, tinha 29 anos, divorciada, independente, feminista, sufragista e ...sadomasoquista. Marston tinha 25 anos e estava longe da esposa. Passaram seis meses juntos. Muito do que o autor aprendeu sobre bondage & SM foi com ms. Huntley. 
 "Ninguém sabe mais sobre a produção da Wonder Woman do que Marjorie W. Huntley", disse Elizabeth Holloway. Na década de 1940, Huntley ajudou com as cores e o letreiramento dos quadrinhos da Mulher Maravilha, incluindo os muitos quadrinhos que que mostravam mulheres acorrentadas, atadas, mãos e pés. 



 Huntley acreditava no que ela chamava de "ligação amorosa": a importância ( e o prazer) de ser amarrada e acorrentada. Ela também acreditava na consciência extra-corporal, vibrações, reencarnação e na natureza psíquica do orgasmo... Huntley participaria esporadicamente da família-liberal-poliamorosa (Marjorie era hiper-ativa e nunca ficava muito tempo em um mesmo lugar)... quando ela estava na casa dos Marston, tudo cheirava a incenso... 





Huntley,  Olive Byrne,  Bettye Holloway e Marston participaram do que Jill Lepore descreveu como "culto ao sexo" em 1925-26 na casa da tia de Marston, Carolyn. Os participantes celebravam o poder sexual feminino, o domínio, a submissão e o amor, formando "Unidades de Amor" que consistiam em trocas de parceiros, bondage, orgias etc...




 Marjorie ficou ao lado de Olive, Betty e do resto da família, depois que Marston morreu...



CONTINUA...



Pesquisas:

https://en.wikipedia.org/wiki/William_Moulton_Marston

https://www.theguardian.com/books/2014/dec/28/secret-history-wonder-woman-jill-lepore-observer-review

http://www.flavinscorner.com/drww.htm

https://www.theatlantic.com/entertainment/archive/2014/10/wonder-womans-feminism/381579/

http://www.smithsonianmag.com/arts-culture/origin-story-wonder-woman-180952710/?no-ist

http://comicsalliance.com/wonder-womans-elizabeth-holloway-martston-olive-byrne/

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A Origem Secreta da MULHER- MARAVILHA ! (Primeira Parte)



 A Mulher-Maravilha (Wonder Woman) é uma super-heróina ( uma das pioneiras, e a primeira a ter revista própria) das histórias em quadrinhos (posteriormente da TV & Cinema) publicada pela editora norte americana DC Comics.  O personagem é um membro fundador da Liga da Justiça, semi-deusa e embaixadora no "mundo dos homens" da raça das Amazonas. Em sua terra natal, seu título oficial é a de Princesa Diana de Themyscira, filha da Rainha Hippolyta. Ao se misturar na sociedade, ela adota sua identidade civil, Diana Prince. Assim como quase todos os super-heróis, A Mulher-Maravilha tem uma identidade secreta. Diferente da maioria dos heróis, ela também teve uma "História Secreta"...



Wonder Woman foi criada pelo psicólogo, inventor e escritor americano Dr. William Moulton Marston (com o psedônimo de Charles Moulton). Sua esposa Elizabeth, teria tido a idéia de criar uma super-heroína, e a amante de Marston, Olive Byrne, seria sua inspiração para a aparência da personagem.  Marston projetou a Mulher-Maravilha como representante de um modelo particular do poder feminino:  Mulheres possuem o potencial não somente de serem tão boas quanto homens- podiam ser superiores a eles! Ele se inspirou nas primeiras feministas, e especialmente na pioneira do controle de natalidade, Margaret Sanger. 
  Marston pretendia criar um novo arquétipo feminino que deitasse por terra a imagem sexista de uma mulher submissa e dominada pelas emoções. Batizando originalmente a nova personagem de "Suprema", Marston combinou a força e o poder do Super-homem com a beleza e a ternura femininas. 
       Aprovada a ideia, o editor Sheldon Mayer rebatizou a nova super-heroína de Mulher-Maravilha antes da sua estreia na série All Star Comics nº8 (dezembro de 1941). As histórias eram inicialmente escritas pelo próprio Marston e ilustradas por Harry Peter, um artista com vasta experiência em desenhar tiras para jornais. Com efeito, ao longo da sua vida, Marston escreveu diversos artigos e livros sobre Psicologia mas os seus últimos seis anos de vida foram dedicados à produção de histórias em quadrinhos. Além da Mulher-Maravilha, Marston criou várias outras personagens, quase todas femininas: Artémis, Giganta, Máscara, etc.
       As aventuras da Mulher-Maravilha escritas por Marston, não raro, versavam sobre temas associados ao bondage. 




Eram pois frequentes as situações em que as personagens surgiam amarradas e subjugadas. Esses elementos fetichistas foram posteriormente amenizados pelos argumentistas que lhe sucederam. Sobre isto, Marston diria um dia: "Deem aos homens uma mulher deslumbrante e mais forte do que eles e ele terão todo o prazer em serem seus escravos".



A sensual & feminista personagem estampou sua primeira capa na Sensation Comics # 1, janeiro de 1942 . A revista da Wonder Woman foi publicado pela DC Comics quase continuamente, exceto por um breve hiato em 1986.




A história de origem da Mulher Maravilha conta que ela foi esculpida de argila por sua mãe, a rainha Hippolyta e  sua vida foi dada pela deusa Afrodite, juntamente com poderes sobre-humanos como presentes dos deuses gregos. No entanto, nos últimos anos, os artistas atualizaram seu perfil: ela foi retratada como a filha de Zeus, e criada conjuntamente por sua mãe, Hippolyta e suas tias, Antiope e Menalippe; ela herdou então as habilidades divinas de Ares, tornando-se o "Deus da Guerra" personificado.



O treinamento como Amazona de Wonder Woman ajudou-a a desenvolver uma ampla gama de habilidades extraordinárias em táticas, caça e combate. Ela possui um arsenal de tecnologia avançada, incluindo o "Laço da Verdade", um par de braceletes indestrutíveis, uma tiara que serve de projétil e, em histórias mais antigas, uma variedade de dispositivos baseados na tecnologia avançada das amazonas. 



Wonder Woman foi criada durante a Segunda Guerra Mundial; O personagem foi inicialmente retratado lutando forças militares do Eixo, bem como uma variedade de supervilões exóticos, embora ao longo do tempo suas histórias passassem a colocar maior ênfase em personagens, deidades e monstros da mitologia grega.  Tudo tem a ver com seu (s) criador (es) e suas idéias e gostos pessoais...




William Moulton Marston foi um homem que conseguiu combinar vários interesses e campos diferentes dentro de suas ideias de vida . 



Marston nasceu (em 9 maio de 1893)  e cresceu em Massachusetts. Seu pai era um negociante que enriqueceu com o comércio de tecidos e chegou a construir um castelo para viver com a família. Aluno brilhante, mas com brilho próprio, William não era o típico "nerd", tinha ambições e fazia suas próprias escolhas, amizades e interesses.  Ele obteve um diploma de Direito em 1918 e obteve um doutorado em Psicologia pela Universidade de Harvard em 1921. Muito interessado em encontrar uma maneira científica de provar a inocência de uma pessoa, Marston inventou o teste de pressão sanguínea sistólica, que é a base para o polígrafo, o famoso "detector de mentiras" . Enquanto fazia campanha pelo uso mais amplo da máquina em casos criminais, Marston ficou convencido de seus estudos de que as mulheres eram mais honestas e confiáveis ​​do que os homens. Marston tornou-se feminista radical devido a essa crença e defendeu a ideia de que as mulheres representavam uma força pacífica na sociedade.

Mas, Marston também foi roteirista de cinema, tendo escrito o roteiro do drama "Love in an Apartment Hotel" (1913) de D.W.Griffith, e "Jack Kennard, Coward" (1915) de Charles M. Seay; este, escolhido em um concurso da produtora Edison Company entre outros 336 roteiros de estudantes universitários de todo o país!


 No mesmo ano, ele se formou em Harvard, e utilizou o prêmio que ganhara por "Jack Kennard, Coward" para comprar um anel de noivado e se casar com sua colega (e antiga namorada ) Elizabeth Holloway...


                                                  William & Elizabeth em 1916

Sarah "Sadie" Elizabeth Holloway (Fev 1893-Mar 1993) nasceu na Ilha de Man e se criou em Boston, Massachusetts. Conforme observado pela Universidade de Boston, "Numa época em que poucas mulheres obtiveram graus mais elevados, Elizabeth recebeu três". Ela se formou em psicologia no Colégio Mount Holyoke em 1915. "Sadie" queria se juntar ao noivo, William Marston, na Harvard Law School. No entanto, de acordo com uma entrevista, que ela deu ao New York Times em 1992: "Aqueles paspalhos de Harvard não aceitavam mulheres [...] então eu fui para a Universidade de Boston". Quando Elizabeth pediu a seu pai para ajudá-la a pagar a faculdade de direito, "Ele disse a ela:" Absolutamente não. Enquanto eu tiver dinheiro para mantê-lo em aventais, você pode ficar em casa com sua mãe ". Ela passou a vender livros de receitas culinárias de porta em porta e em clubes de damas locais.  Elizabeth (agora) Marston recebeu seu diploma da Faculdade de Direito da Universidade de Boston em 1918 e foi "uma das três mulheres que se formaram na Faculdade de Direito naquele ano". Ela afirmou mais tarde: "Eu terminei o exame de admissão em tempo record,e tive que sair e sentar-me na escada esperando por Bill Marston e outros homens de Harvard ... terminarem suas provas. "

O casal passaria a trabalhar junto em todos os projetos de William, muitos deles, baseados em sugestões de Betty.
Em 1920, Elizabeth deu à luz a primeira filha do casal, Fredericka, mas a criança morreu por complicações no parto. Outras crianças viriam através dela, e de outra mulher muito importante nesta história: Olive Byrne...

A jovem Olive, era filha de Ethel Byrne, feminista famosa por ter criado a primeira clínica de controle de natalidade nos EUA, junto com sua irmã, a já citada Margareth Sanger. Olive era aluna de psicologia  de William Marston, e depois sua assistente de pesquisas...



 Teste com o detector de mentiras. William Marston a direita, e na esquerda, Olive Byrne anota os resultados. Notem que Olive sempre utilizava braceletes, uma de sua influências na futura personagem heroica! Foto de 1938



...logo, Olive se tornaria sua amante, e William não esconderia isto de sua esposa. Os três eram pessoas inteligentes, liberadas e além do seu tempo, assim, decidiram morar juntos em uma relação poligâmica, muito bem dissimulada na época...




Vivendo com estas "Mulheres-Maravilha", William desenvolveria suas pesquisas e criaria sua personagem imortal. Olive teve dois filhos com William. As crianças foram adotadas legalmente como filhos do "casal oficial".  Elizabeth também teve dois filhos (Pete e Olive Ann, esta batizada em homenagem a outra mulher do "casal"...), e apoiou a família quando William ficou doente e sem trabalho (enquanto Olive permanecia em casa para criar as crianças), bem como depois da morte dele em 1947. Para todos os fins, Olive era uma protegida do casal, e para muitos, a irmã mais nova de Elizabeth!

 De acordo com o livro  "A História Secreta da Mulher Maravilha" (Editora Best Seller, 2017) de Jill Lepore, a família fazia parte de uma espécie de "culto sexual" que praticava o amor livre e defendia a superioridade das mulheres. Lepore também revelou que uma terceira mulher, Marjorie Huntley, era um membro ocasional da família, e ajudava com as cores e as letras dos quadrinhos da Wonder Woman....

Mas, falando nisto, e a personagem Wonder Woman???

...O Laço da Verdade vai revelar tudo...






NÃO PERCA O PRÓXIMO E ELETRIZANTE CAPÍTULO!






CONTINUA...

terça-feira, 4 de julho de 2017

A Sensual Anatomia Interior: As Pin-Ups de Fernando Vicente Parte 1

Horror & Beleza...

Fernando Vicente, nascido em 1963 em Madri, é um artista espanhol que trabalha como ilustrador e pintor de várias revistas e jornais desde a década de 1980. Ele, por exemplo, fez ilustrações para livros como Peter Pan, O Médico e o Monstro e Momo. Também faz histórias em quadrinhos e capas de discos, trabalhando também em publicidade...



A revista Juxtapoz (juxtapoz.com) afirmou em 10/11/2011: "As pinturas anatômicas do artista espanhol Fernando Vicente são uma fusão de tirar o fôlego da beleza física e da realidade científica, retratando modelos atraentes que relembram uma era passada e pisam sua vaidade exterior através de diagramas complexos de sua própria anatomia interior. A peculiar combinação de arte e ciência de Vicente é verdadeiramente provocadora e um puro prazer em contemplar "



Esta ilustração chamada "Inferiores" é uma pintura acrílica em tela de 90x90cm. Foi pintado como parte da série Fernando Vicentes "Vanitas" que foi exibida em Madrid na Galeria Sen entre 2007 e 2008. "Inferiores" mostra uma fêmea sensual com os músculos e os ossos do lado direito do pescoço e do tórax superior expostos. 











Mais pinturas anatômicas da série VANITAS de Fernando Vicente...






























O próprio artista se revela:




CONTINUA...Na segunda parte: Pin Ups Sensuais & Pin Ups Mecânicas!!!

http://www.fernandovicente.es/perfil/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...