sexta-feira, 24 de junho de 2022

Necrofilia...crônicas dos 'Amores Mortos' no Cinema!




 A necrofilia é a atração sexual por cadáveres. Por mais tabu (para não dizer criminoso) que seja o assunto, ele aparece com alguma recorrência no cinema de gênero. Zumbis, lobisomens, maníacos e até canibais...tudo bem!  Mas, necrófilos???

 Alguns filmes são corajosos o suficiente para mergulhar totalmente no assunto como um fetiche sexual. Essas obras são frequentemente inflexíveis e geralmente acabam atoladas em controvérsias de censura, como resultado de sua 'ousadia'...

Em outras obras, a necrofilia faz parte de uma gama de tabus explorados por personagens 'perturbados'. Às vezes praticado por serial killers, incluindo figuras da vida real como Ed Gein, ou Jeffrey Dahmer .

Em outros filmes, é algo que existe como uma piada de mau gosto. Há também, de maneira peculiar, um punhado de filmes sobre sexo com mortos vivos.

Existem muitas insinuações  de necrofilia em filmes mais antigos (como em "o Gato Preto" de 1834 com Bela Lugosi e Boris Karloff)...mas, o tema barra pesada só começou a ser explorado de forma mais direta nos anos 1960. Um dos pioneiros foi  "L´Orribile Segreto del Dr. Hichcock" (O Segredo do Doutor Hichcock/ Raptus- O Diabólico Dr. Hichcock, 1962) de Riccardo Freda



  Londres,1885- Dr. Bernard Hichcock (Robert Flemyng) é um respeitado e prestigiado cirurgião, que tem em seu currículo o desenvolvimento de um novo e poderoso anestésico. Mas, sua vida pessoal e sexual é marcada por sua atração pelos cadáveres femininos do necrotério, assim como o uso de seu anestésico pra jogos íntimos com sua esposa Margaretha (Maria Teresa Vianello). A droga a coloca em um estado catatônico, permitindo que Bernard satisfaça seus desejos...



...uma noite, ele vai longe demais, e uma dose letal acaba matando-a de verdade!  Doze anos mais tarde ele se casa novamente com a bela Cynthia (Barbara Steele)...


...que começa a ser assombrada por visões e pesadelos, e vai acabar descobrindo 'o horrível segredo' do seu esposo...e que Margaretha não está 'tão morta' quanto devia...


Horror gótico italiano, com a grande dama do terror Barbara Steele, em uma abordagem lírica do tema...
Freda realizou depois "Lo Spettro" (O Demônio e o Dr. Hichcock, 1963), com Barbara Steele como Margaret, e um outro Dr. Hichcock...mas sem necrofilia na trama..  



"Il Terzo Occhio" ( O Terceiro Olho, 1966) de Mino Guerrini



Mino (Franco Nero) é um conde rico e taxidermista por hobby; que vive sob o domínio de sua mãe dominadora (Olga Solbelli), e de Marta (Gioia Pascal), a empregada dedicada da casa e que é secretamente apaixonada por ele. Sua decisão de se casar com Laura (Erika Blanc) provoca a morte de sua noiva, que tem o carro sabotado por Marta. 




Mino resgata o cadáver de Laura, e em seu laboratório empalha seu corpo assim como fazia com animais, e a coloca no leito nupcial. Ele começa então a atrair prostitutas para a mansão, e quando as mulheres veem o corpo o corpo na cama ele as estrangula.



 Marta descobre os assassinatos e passa a ajuda-lo a se livrar dos corpos (com ácido) em troca de se casar com ele e se tornar condessa.
Surge então Daniela (Erika Blanc em papel duplo), irmã gêmea de Laura, e a mente já perturbada de Mino acha que é sua amada que voltou dos mortos...


Terror gótico italiano que inicialmente foi proibido pela censura do país, exatamente pelas sugestões de necrofilia e cenas violentas. Foi um dos primeiros filmes estrelados por Franco Nero, que depois se tornaria um astro do 'Spaghetti Western'.



"O Estranho Mundo de Zé do Caixão" (1968) de José Mojica Marins



Antologia com 3 histórias de Terror. No episódio "Tara", um pobre e feio vendedor de balões (Jorge Michel Serkeis) tem fetiche por pés, e fica obcecado por uma jovem mulher, seguindo-a por toda a parte. 



No dia de seu casamento ela é morta por uma rival  ciumenta em frente a igreja. Depois de seu funeral, o homem abre sua cripta para passar uma noite com ela...



Depois de fazer sexo com o cadáver, ele a veste novamente, e calça delicadamente seus pés com um par de sapatos que recuperou quando a moça os deixou ao fazer uma compra.

O nosso pioneiro no terror, também foi um dos pioneiros a abordar o tema de forma mais explícita, apesar do tom onírico do episódio.  


"10 Rillington Place" (O Estrangulador de Rillington Place, 1971) de Richard Fleischer




Londres 1949. John Christie (Richard Attenborough) é um homem de meia idade, comum e simpático. E também é um serial killer que atrai mulheres com promessas de seus 'conhecimentos em medicina', as sufoca com gás, estrangula e então faz sexo com o cadáver...




 Ele aluga o apartamento de cima para o casal pobre Timothy (John Hurt) e sua jovem esposa Beryl (Judy Geeson).



 Já com um bebê em casa, Beryl engravida novamente e não possui recursos para pagar um aborto. Christie se oferece para ajudá-la e acaba agredindo, estrangulando e violentando seu corpo.




 Ele convence Timothy de que sua esposa morreu durante uma tentativa de aborto, e que ele deve se esconder para não ser acusado de cúmplice. Então ele também estrangula o bebê do casal e consegue que o analfabeto Timothy seja acusado pelos assassinatos, e então enforcado...

Dois anos depois, a esposa de John Christie, Ethel (Pat Heywood) começa a temer o comportamento dele, e também é morta. Em 1953, Christie está vivendo como um indigente, e um novo morador do seu antigo endereço descobre uma parede falsa na cozinha...e  vários corpos escondidos lá...


O roteiro parece fantasioso, mas, é totalmente baseado no caso real do assassino e necrófilo britânico John Christie (John Reginald Halliday Christie 1899-1953, morto por enforcamento na prisão). O elenco é excelente, assim como a direção do americano Fleischer, que evita os detalhes explícitos de necrofilia dos crimes, para evitar a severa censura britânica da época...


"Love Me Deadly" (1972) de Jacques Lacerte



A jovem, atraente e rica Lidsay Finch (Mary Charlotte Wilcox) frequenta velórios de homens desconhecidos, e quando todos saem, beija os cadáveres apaixonadamente. O agente funerário Fred McSweeney (Timothy Scott) percebe suas tendências e a convida para participar de seu clã secreto que pratica orgias necrófilas. 



Mas, o grupo é também um culto satanista, e que não se limita a esperar pelos corpos para suas atividades sexuais no necrotério...


Lindsay participa do culto e continua suas visitas aos velórios, até que um dia conhece o irmão de um falecido, Alex (Lyle Waggonner) , o dono de uma galeria de arte. Eles começam um relacionamento (o primeiro namoro verdadeiro de Lidsay), e resolvem se casar. Mas ela não consegue se entregar para seu marido, e continua suas atividades secretas. Alex descobre que ela visita o túmulo de seu pai todos os dias, brincando em torno dele como se fosse uma criança...


Alex acaba sendo vítima do culto, e Fred prepara seu corpo para que a esposa possa então ter sua noite de núpcias...


Apesar dos temas e do argumento 'pesado', o filme do diretor estreante Lacerte (oriundo do teatro) é uma melancólica história de amor. E ele estabelece uma diferença entre as motivações psicológicas de Lidsay, e os perversos membros do culto. A produção independente foi lançada junto com dois filmes de terror europeus mais antigos em um programa triplo de drive-ins; alcançando depois o status cult...

Em "Flesh for Frankenstein" (Frankenstein de Andy Warhol, 1973) de Paul Morrissey (ver postagem anterior), Udo Kier vive um doentio Barão Frankenstein, que negligencia sua esposa em troca de seu trabalho, e sexo com cadáveres...



"El Jorobado de la Morgue" (1973) de Javier Aguirre, tem o astro espanhol de terror Paul Naschy (Jacinto Molina) como o corcunda Gotho, que trabalha no necrotério de um hospital. Ele ama um garota muito doente que está internada (Elena Arpon). Quando ela morre, ele rouba seu corpo, e cuida dele em uma antiga masmorra, esperando que o Dr. Orla (Alberto Dalbes), um cientista louco, a reviva...



 


"Deranged" (Confissões de um Necrófilo, 1974) de Jeff Gillen & Alan Ormsby



Ezra Cobb (Robert Blossom) é um fazendeiro de meia idade, que fica totalmente perturbado quando sua amada e possessiva mãe morre. A mulher era uma fanática religiosa, e doutrinou Ezra desde a infância para odiar as mulheres.

Ezra a desenterra um ano depois e a leva para casa. Assim como outros cadáveres de mulheres para lhes fazer companhia.




Seus desejos sexuais reprimidos são complicados ainda por sua incapacidade social de conviver com os vivos...então, ele mata!



 Horror, gore e humor negro baseado na história real do notório assassino e ladrão de túmulos Ed Gein (1906-1984)...e que também influenciou clássicos como "Psicose" (1960), "O Massacre da Serra Elétrica" (1974) e muitos outros.


"Buio Omega" (1979) de Joe D'Amato



Francesco (Kieran Canter) mora em uma mansão de campo que herdou, e é cuidado pela sua devotada governanta Iris (Franca Stoppi). Sua bela noiva Anna (Cinzia Monreale) fica doente ( e sabemos que por influencia de Iris), e morre. Depois do funeral, Francesco desenterra sua amada e a leva para casa.



 O hobby de Francesco é a taxidermia, então ele remove as vísceras e preserva o corpo dela em uma cama...



 ...Iris mantêm Francesco preso em jogos eróticos, mas ele procura a companhia de mulheres mais jovens, que acaba assassinando.




A chegada de Elena (Cinzia Monreale em papel duplo), irmã gêmea de sua namorada embalsamada vai complicar tudo, por conta do ciúme doentio de Iris...e da própria loucura do rapaz...


Refilmagem de "O Terceiro Olho" de 1966; mas como é um filme de D'Amato (Aristides Massacceci - 1936-1999), o grande rei do cinema exploitation ( e depois pornográfico) italiano, é regado a banhos de tripas e sangue. 


"Macabro" (1980) de Lamberto Bava



A dona de casa Jane (Bernice Sterges) abandona seus dois filhos para ir morar com seu amante Fred (Roberto Posse). Ela e Fred são pegos em um terrível acidente de carro e ele é decapitado. Um ano depois, Jane recebe alta de um hospital psiquiátrico e se muda para um apartamento do cego Robert (Stanko Molnar). Robert fica apaixonado por ela e obcecado em descobrir quem é o homem misterioso com quem ela passa o tempo todo fazendo amor. Entrando furtivamente no apartamento, Robert faz a chocante descoberta de que ela mantém a cabeça decepada de Fred na geladeira...


Longa de estreia do filho do grande Mario Bava. O roteiro escrito por Pupi Avati, poderia ser um episódio em alguma antologia ou série de terror, construído em cima do 'mistério' sobre o 'novo' amante de Jane, até a revelação Macabra!

"Dracula Exotica" (1980) de Shaun Costello, tem possivelmente a primeira cena de sexo explícito com necrofilia. A traficante Vita Valdes (Vanessa Del Rio) é morta pelo Conde Drácula (Jamie Gillis). Seu cadáver está no necrotério e então um funcionário noturno (Herschel Savage) aproveita e faz sexo com ela...que só depois revive como uma vampira...








"NEKRomantik" (1987), e "NEKRomantik 2" (1991) de Jörg Buttgereit



Robert (Daktari Lorenz) trabalha como atendente de um serviço de limpeza de ruas, que remove corpos e restos humanos após acidentes. 



Ele secretamente rouba um cadáver inteiro apodrecido e os traz para casa para sua namorada Betty (Beatrice M.), onde os dois se envolvem em sexo necrófilo.



 Depois que Robert é demitido do trabalho, Betty o deixa, levando o seu cadáver/amante. 



Infelizmente, Robert tenta compensar matando gatos e prostitutas...até se esfaquear, e seu pênis jorrar sêmen, e depois sangue por toda parte.


O diretor/roteirista alemão Buttgereit em seu primeiro longa metragem se propôs a desafiar todas as convenções e chocar todas as sensibilidades sociais, com estrema crueza. Rodado em 8 mm granulado, com elenco e edição amadores, o pequeno filme transgressivo foi banido em muitos países do mundo, mas depois se transformou em um clássico cult.   



A enfermeira Monika (Monika M.) desenterra o cadáver do necrófilo Robert (do filme anterior) e o leva para seu apartamento onde faz sexo com ele. 



Após um encontro casual em um cinema, ela se envolve com Mark (Mark Reeder), um dublador de filmes pornôs. Ela toma a decisão de se livrar do cadáver, mas guarda sua cabeça e seu pênis. Mark descobre a obsessão dela com a morte, e as partes conservadas em sua geladeira...o que não é um bom começo de relacionamento...


No final Monika resolve sua indecisão entre o amor carnal e a necrofilia cortando a cabeça de Reeder durante o coito...


...para colocar a cabeça de seu amado cadáver no lugar...



Um novo triângulo amoroso entre uma mulher, um homem e um corpo apodrecido, agora com Buttgereit contando com uma produção melhor, e atores profissionais. Os efeitos especiais sangrentos (do próprio diretor junto com Sammy Balkas) são realistas, e assim como no filme original, o diretor também coloca cenas reais de mortes de animais. Agora existe um senso de humor negro e ironia que o primeiro filme nunca teve. 


 "Mortuary Academy" ( Loucademia Funerária,1988) de
 Michael Schroeder




Após a morte de seu tio, os irmãos Sam e Max Grimm (Perry Lang e Christopher Atkins) são os únicos beneficiários da Academia Grimm – um necrotério e escola de treinamento.


 No entanto, a herança depende de suas graduações na escola. Ao se matricularem nas aulas, eles se deparam com Paul Truscott (Paul Bartel), o diretor 'nojento' e ganancioso da academia, que está determinado a reprová-los a todo custo e manter o controle da academia.



 Truscott também gosta de necrofilia. Quando o cadáver de uma linda líder de torcida virginal é trazido, (tendo engasgado com um pouco de pipoca), Truscott se apaixona perdidamente por ela.


Claramente projetada para aproveitar o sucesso da comédia "Police Academy" (Loucademia de de Polícia, 1984) , e sua intermináveis sequências, "Loucademia Funerária" usa o mesmo humor vulgar e de mau gosto- tem cenas de necrofilia, psicopatas sanguinários, humor racista, e piadas sobre 'vaginas tóxicas', menstruação e mais...


Destaque para as participações do ator/diretor  Paul Bartel, sua musa Mary Woronov, e pontas de Cesar Romero e do DJ e ator Wolfman Jack...


"Graverobbers"/"DeadMate" ( Graverobbers- Ladrões de Sepultura, 1988) de Straw Weisman




 A garçonete (e ex-prostituta) Norma Mae (Elizabeth Mannino ) depois de recusar os avanços de um vendedor de preservativos desprezível, conhece um estranho alto e moreno chamado John Henry  (David Gregory) que prontamente a pede em casamento, lhe dando um anel de diamantes.


 Ela aceita a proposta e o acompanha até sua distante cidade natal. Norma rapidamente descobre que nada é normal na pequena cidade onde seu marido trabalha como agente funerário. Toda a população compartilha um fetiche doentio por pessoas mortas e os membros da elite da cidade se reúnem na casa funerária de Henry para uma série de rituais necrófilos, onde sempre que há um cadáver fresco à disposição. 



 Norma Mae descobre que seu marido é viúvo de várias mulheres que morreram com a mesma idade dela, e seus corpos foram removidos das sepulturas. 


Ela passa a ser perseguida por quase todos os moradores da cidade, até um final surpresa, e totalmente sem sentido, envolvendo um motoqueiro zumbi...




 "Dead Mate" é um filme B de baixo orçamento e muitas vezes desajeitado, mas ainda assim se beneficia de um ambiente bastante macabro e da controvérsia em torno do tema da necrofilia. Existem também vários diálogos deliciosamente dementes, como "Esta é a única forma verdadeira de sexo seguro, você não pode pegar AIDS de pessoas mortas".



"Kissed" (Kissed- Cerimônia de Amor, 1996) de Lynne Stopkewich


A jovem Sandra Larson (Molly Parker) foi fascinada pela morte desde a infância. Adulta, ela trabalha como assistente funerária, e tem uma atração erótica pelos cadáveres que ela cuida e faz amor com eles em segredo. 




As complicações começam quando ela se envolve pela primeira vez com um homem vivo, Matt (Matt Outerbridge), que luta para entender sua obsessão secreta.


Com um enredo muito semelhante a "NEKROMantik 2","Kissed" vai pelo caminho inverso ao filme de Buttegereit. É um filme sensível e de muito bom gosto. A diretora canadense Lynne Stopkewich, em seu primeiro trabalho, parece tentar nos convencer que a necrofilia da introvertida Sandra, é apenas um meio alternativo de sua auto expressão sexual.
O filme foi exibido em diversos festivais, e apesar de discretas, as cenas de Molly Parker nua com os cadáveres foram cortadas em seu lançamento em vídeo nos EUA.



"Autopsy: A Love Story" (2002) de Guy Crawford




Charlie Bickle (John Scott Mills) cuida de sua esposa aleijada Mary (Ginny Harman), e trabalha em um necrotério cremando corpos. Ele tem um estranho relacionamento com os mortos, ouvindo suas vozes em sua cabeça, e fazendo amizade antes de despachá-los  O proprietário do necrotério é o corrupto Dr. Dale Brodsky (Joe Estevez), que vende ilegalmente partes dos corpos antes da cremação; e se sente protegido subornando policiais corruptos.



Um dia surge o cadáver de uma bela mulher suicida (Dina Osmussen) sem nome (uma 'Jane Doe'), e Charlie se apaixona por ela. 



Ele trata com carinho e namora com o cadáver, enquanto o corpo vai apodrecendo. Então, aparece Jil Patterson ( Dina Osmussen), em busca de sua irmã gêmea desaparecida... 




Produção amadora de baixo orçamento, que assim como "Kissed", procura uma abordagem mais sensível ao pesado tema. Sem nudez e cenas de sexo, e muito pouco gore. O casal principal se sai bem em seus papéis, o problema é Joe Estevez, como o Dr. Dale...péssimo!


"DeadGirl" (2008) de Gadi Harel e Marcel Sarmiento




 Rickie (Shilo Fernandez) e JT (Noah Segan) são amigos e compartilham a falta de jeito com as garotas. 


Um dia eles decidem matar aula, e explorar um hospital psiquiátrico abandonado.
No porão do prédio eles encontram uma sala com uma mulher nua acorrentada. 


JT quer estupra-la, mas Rickie se recusa e vai embora. No dia seguinte eles retornam, e JT revela que descobriu que a mulher é uma morta viva. Ela tentou ataca-lo, e ele 'a matou' mais de uma vez...


JT se muda para a sala, e leva outro amigo Wheeler (Eric Podnar), e eles se revezam estuprando e torturando a 'Deadgirl' (Jenny Spain) como eles a chamam...


Rickie não quer nada com isso, mas quando dois valentões da escola forçam a verdade deles, e também querem participar, os eventos começam a sair do controle.


Dirigido por um americano (Sarmiento) e um israelense (Harel), "Deadgirl" é um filme de zumbi original e perverso. O horror não vem da morta viva, mas dos jovens estudantes que praticam a necrofilia e torturas sexuais com a cativa. O filme também tem um senso de humor negro bizarro: quando o corpo começa a decair cada vez mais (o que parece não importar nada para eles) a solução que encontram é colocar uma foto de uma garota bonita por cima do zumbi...


"Child of God" (2013) de James Franco




Zona rural do Tennessee/ EUA, anos 1950/1960. Lester Ballard (Scott Haze) é um homem mentalmente perturbado, que após perder os pais, e a propriedade da família, vai viver em uma cabana isolada na floresta.


 Ele caça para sobreviver, e vaga sem rumo, perdendo aos poucos a noção de humanidade. Ele pratica roubos e é um incômodo geral, principalmente para o xerife Fate (Tim Blake Nelson). Depois de ser falsamente acusado de estupro por uma mulher bêbada, Lester encontra um jovem casal de suicidas em um carro, e faz sexo com o corpo da garota (Nina Ljeti)...


...e leva o cadáver para sua cabana, o tratando como sua namorada, ou um bichinho de pelúcia, pelos quais ele tem uma obsessão infantil.



 Mas, acidentalmente ele acaba incendiando sua casa. A partir desse acontecimento, Lester passa a atacar e matar outros casais, levando os corpos das mulheres para seu harém necrófilo em uma caverna...


 Thriller e drama sobre um necrófilo e serial killer, baseado no romance de Cormac Mc Carthy. O diretor e roteirista James Franco é mais conhecido como ator de grandes filmes de Hollywood, mas também é escritor e músico. Esse é seu décimo terceiro longa metragem como diretor ( e também faz o papel do irmão de uma das garotas vitimadas), e procura adaptar o complexo romance cheio de metáforas, de uma forma naturalista e improvisada. Lester é louco e violento, mas é mostrado de forma humana, e isso, o ator Scott Haze consegue fazer muito bem. 




"El Cadáver de Anna Fritz" (2015) de Hèctor Hernández Vicens




Pau (Albert Carbó) é um jovem tímido que trabalha como zelador em um hospital que recebe o cadáver de Anna Fritz (Alba Ribas), uma famosa atriz considerada uma das mulheres mais desejadas do mundo. 



 Pau fotografa o corpo e compartilha com seus amigos Ivan (Cristian Valencia) e Javi (Bernat Saumell), que logo se dirigem ao hospital para ver Anna de perto, e nua...


Fascinados pela beleza monumental da atriz, eles decidem que serão os últimos a fazer sexo com ela...



Enquanto estão praticando necrofilia...o cadáver acorda! Ao descobrirem que Anna não estava realmente morta, e temendo serem incriminados, eles decidem matá-la de verdade...e conflitos e reviravoltas acontecem...



A produção espanhola foi a estreia na direção do romancista e roteirista Vicens, e é um thriller de suspense e terror, que passa da necrofilia para o estupro, e tentativa de assassinato. Sem nenhuma inclinação sobrenatural, é preciso no entanto estar disposto a suspenção de descrença, já que a situação de Anna (que foi encontrada morta no banheiro de uma festa privada) e como ela 'acorda' nunca é explicada.  


Moral e tematicamente a necrofilia é desprezível, mas em muitos desses filmes citados, serve como uma forma de pensarmos em temas como a psique, e os limites extremos do ser humano, violência sexual, etc... 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...