segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

NABONGA! KATONGO!



Gênero muito popular nos anos 40/50; as Aventuras nas Selvas, tinham seus heróis de tanga, caçadores heroicos acabando com a fauna, tribos de selvagens fakes, dublês com roupas de gorilas, e suas Rainhas das Selvas!! 






"Nabonga, o Gorila" (Nabonga, 1944) de Sam Newfield, é um filme de aventura/ ação/ terror,  com o astro Larry Buster Crabbe (Ex- Flash Gordon; ex-Tarzan)...





Tentando limpar o nome de seu falecido pai, o jovem Ray Gorman (Buster Crabbe  1908-1983) viaja para as profundezas da África  rastreando o dinheiro desviado do banco de seu pai anos antes. Ele ouve falar da lenda de uma "bruxa branca" das selvas, que dizem, caiu do céu.  



A "bruxa branca" é a bela Doreen ( Julie London 1926-2000, estreando como atriz, e  que depois se transformou em uma cantora de muito sucesso )...




 ...filha do verdadeiro ladrão e que sobreviveu ao acidente de avião com seu pai, quando era uma menina (sua personagem quando criança foi vivida por Jackie Newfield, filha do diretor, em sua única passagem pelo cinema).




             Este foi o primeiro papel de Julie London; ela tinha 18 anos na época.






 A garota vive protegida por um enorme e feroz gorila (Ray 'Crash' Corrigan , 1902-1976), mas o perigo maior é o ganancioso guia Carl (Barton McLane), que quer a fortuna à qualquer preço... 







O nome do gorila titular não é Nabongo no filme - é Samson. O que é estranho porque Nabonga é um nome muito melhor para um cara em uma fantasia de gorila! Falando nisto, o "homem-na-fantasia-de-gorila" é creditado aqui como "Nbongo"...mas era na verdade Ray 'Crash' Corrigan ( 1902-1976)... 




Ray "Crash" Corrigan  passou de um instrutor de fitness para as estrelas de Hollywood a double na década de 1930. No entanto, ele mesmo confeccionou uma boa fantasia de gorila, o que levou a papéis em filmes com macacos, começando com "Tarzan, o Filho das Selvas" (1932), depois em "A Companheira de Tarzan", em 1934 e durando até que ele vendeu o traje em 1948. 

(Mais sobre Ray Corrigan e outros atores especialistas em viverem gorilas em : HOMENS GORILAS DO CINEMA )




O filme usa muitas cenas de stock footage (principalmente com aparição dos costumeiros perigos- leões, leopardos e crocodilos!), o que era muito comum nas produções baratas da época. Os sons  contínuos de pássaros e insetos dão uma atmosfera convincente para a selva de estúdio. 







O filme foi produzido pela  PRC (Producers Releasing Corporation), notório e minúsculo estúdio do chamado "Poverty Row" ( Produtoras baratas e trash  da Hollywood dos anos 40), que foi responsável por pérolas como "The Devil Bat" ( A Maldição do Morcego,1940) com Bela Lugosi; "The Mad Monster" ( O Monstro Sinistro, 1942); "The Monster Maker" (O Fabricante de Monstros, 1944);  "Strangler of the Swamp" (1945); "The Flying Serpent" (1946)... 




O diretor Sam Newfield (1889-1964) realizou quase 300 filmes entre 1926 e 1964, incluindo "Pongo, O Gorila Bran co" (1945), e a série de TV "Ramar das Selvas" (1953-1954); além de filmes de terror baratos como "The Mad Monster"( O Monstro Sinistro, 1942), "Dead Man Walk"(1943), "The Monster Maker" (O Fabricante de Monstros, 1944), e a aventura fantástica com dinossauros "Lost Continent" (Continente Perdido, 1951)... 




A EDIEX (abreviatura de Editormex) foi uma editora mexicana que atuou no Brasil durante os anos 60. A maioria de suas revistas eram fotonovelas, adaptando filmes de aventura  (Foto Audácia ), westerns ( Colt 45, Foto West) , Piratas (Foto Star- Corsários), Guerra (Foto Heroísmo), terror (Ultra Ciência) , ficção científica (Cosmos Aventuras), aventuras submarinas (Risko) e aventuras nas selvas (Antar). Como nesta época ainda não existiam vídeo-cassete/DVD/Youtube/Download, era a forma dos fãs recordarem/"colecionarem" seus filmes favoritos.  







Antar - O Herói das Selvas adaptava aventuras de Tarzan, Jim das Selvas e outros filmes do gênero. Como estas adaptações eram "piratas" (ou seja as produtoras e distribuidoras dos filmes não recebiam nada, e nem mesmo autorizavam), os títulos quase sempre eram trocados. 
No #14 de Antar ( de 1962), apareceu "Nabonga", como "Katongo, O Terror da Selva" !, e assim como no filme, o nome do gorila é Sansão!




Abaixo: Capa, as duas primeiras páginas e detalhes das páginas 34 & 35, com o triângulo amoroso ....






A revista completa (e outras da Ediex) pode ser baixada no blog http://asfotonovelas.blogspot.com/






















sábado, 12 de janeiro de 2019

Rita Lino: Selfies Sensuais & Obsessivos..





Rita Lino é uma fotógrafa portuguesa (nascida em 1986 na Ciade do Porto, em Portugal), ela viveu e trabalhou no Porto e Barcelona, ​​antes de se mudar para Berlim.




 Ele começou a traçar seu próprio caminho na fotografia, que pode ser definida como animal, instintiva, íntima, narcisista, cheia de emoções e sensações, um diário com mil interpretações possíveis, levando o "selfie" ao nível filosófico...  










"Para mim, minha fotografia não é sobre um conceito. A ideia vem de dentro de mim e às vezes eu só preciso da luz perfeita ou do lugar perfeito. Eu escolho roupas e acessórios com muito cuidado, pois é uma maneira de materializar meu conceito, mesmo que esse conceito seja apenas sobre sentimentos e emoções. Quando digo que não é sobre o conceito, quero dizer que não tem um foco intelectual, é sobre amor, loucura, beleza e sentimentos".
















































domingo, 6 de janeiro de 2019

Sue Lyon- Eternamente Lolita...


Sue Lyon nasceu em Davenport, Iowa, em 10 de Julho de 1946. O último dos cinco filhos de Sue Karr Lyon. Sua mãe tinha quarenta e dois anos quando o marido morreu e a pequena Sue apenas dez meses de idade. Com pouco dinheiro, sua mãe teve que trabalhar em um hospital para cuidar dos filhos. A menina Sue era muito bonita com seus cabelos loiros, e a família Lyon mudou-se para Los Angeles, esperando que Sue pudesse ajudá-los financeiramente como modelo. Ela conseguiu trabalho como modelo na agência JC Penney, e fazendo um comercial, que destacava justamente seus cabelos e seu rosto . Aos 13 anos ela estreou na TV em pequenos papéis nas séries "Letter to Loretta"(1959) e na clássica infantil "Dennis the Menace" ( O Pimentinha ,1960) . O diretor Stanley Kubrick viu Sue no programa e sugeriu ao seu produtor e co-roteirista James B. Harris, que eles deveriam testa-la para o papel de Lolita (baseado na obra de Vladimir Nabokov). Sue foi assinou com a  agência  Shaw & Holms, e ganhou o papel... 



"Lolita" (1962) de Stanley Kubrick, conta a história do cinquentão Professor Humbert (James Mason), europeu que se muda para os Estados Unidos e se casa com a viúva Charlotte (Shelley Winters). Acontece que Humbert se casa com a mulher por estar fascinado pela bela e provocante filha dela, Lolita (Sue Lyon) de 14 anos...



...após a morte súbita de Charlotte, Humbert totalmente obcecado pela garota, passa a acreditar que tem Lolita só para si, viajando com ela de carro e parando em motéis como pai & filha. Lolita acaba fugindo dele, deixando o professor devastado...a ponto de matar outro homem ( o ótimo Petter Sellers), como ficamos sabendo já no começo do filme...



Um filme clássico e polêmico, com suas sugestões (muito discretas) de pedofilia e incesto, amenizadas em relação ao livro, para evitar problemas maiores com a censura...







Em 1964 ela se casou com Hampton Fancher III, mas o casamento foi curto. Viveu outra adolescente tentadora em "A Noite do Iguana" (1964) de John Huston. 





Seu primeiro "papel adulto" foi em  "7 Mulheres" (1966) de John Ford, como Emma Clark, uma das sete missionárias na China dos anos 30, ameaçadas por uma gang de bárbaros Mongóis...





Ela esteve em "O Magnífico Farsante" (1967)  de Irvin Kershner, e em "Tony Rome" (1967) de Gordon Douglas, com Frank Sinatra . Sue teve um papel na versão televisiva da divertida comédia de humor negro "Arsenic and Old Lace" (1969) de Robert Scheerer, com Lilian Gish, Helen Hayes, Bob Crane, e Fred "Herman Munster" Gwynne...





Ela flertou com o Western, aparecendo em "E Quatro Partiram a Cavalo" (1970), e na série "O Homem de Virgínia" (1970). Seu primeiro terror foi um muito curto e divertido episódio da série "Night Gallery" (Galeria do Terror, 1971), "Miss Lovecraft Send Me", como uma babá, enviada a um castelo para cuidar do bebê de um casal de vampiros! 






Ela se casou com Roland Harrison, um treinador de futebol, fotógrafo e negro. A controvérsia sobre o casamento fez com que eles decidissem se mudar para a Espanha. Ela continuou em filmes como a cinebiografia "Evel Knievel - O Rei das Proezas" (1971)...




 ...e o thriller espanhol "Tarot" (1973) de José María Forqué...





...como Angela, uma jovem americana que se casa com um velho espanhol, rico e cego (Fernando Rey), e o traí com seu empregado, ficando em meio a uma trama de assassinato pelo dinheiro do milionário...





 ...e,  "Una gota de sangre para morir amando" (1973) de Eloy de la Iglesia...




...um Giallo espanhol, misturado com ficção científica : Em um futuro próximo, uma gang espalha o terror com mortes e estupros, e ao serem presos são cobaias dos experimentos de um notório cirurgião...




...violência e sexo em uma versão espanhola (co-produção com a França) de "A Laranja Mecânica" (Clockwork Orange, 1971) de...Stanley Kubrick!




 Sue Lyon é a enfermeira Ana, por que o cirurgião se apaixona, sem saber do passado misterioso dela, o que vai resultar em uma reviravolta na trama...





 Sue Lyon se divorciou de Harrison, devido à pressão racista ,e também por seu problema maníaco-depressivo, que a levou a diversos tratamentos, se afastando por um tempo do cinema para criar a filha deles. 
Ela conheceu Gary "Cotton" Adamson na Penitenciária Estadual do Colorado, onde ele estava cumprindo pena por assassinato e roubo. Ela sofria com seu problema de depressão, desde os 16 anos, e estava trabalhando como garçonete e morando em um hotel próximo a Denver. Ela se casou com ele em 1973 e começou a lutar pela reforma da prisão e pelos direitos conjugais. Infelizmente este foi outro casamento de curta duração quando ela se divorciou dele depois que ele cometeu mais um assalto. 



Ela voltou a atuar em um papel no Disaster-Movie feito para a TV "Smash-Up on Interstate 5" (1976) de John Llewellyn Moxey, sobre um enorme acidente múltiplo em uma rodovia americana...








...e novamente envolvida em acidentes de carro no estranho "Crash!" (Crash! O Ídolo do Mal, 1976) de Charles Band...




Sue Lyon é Kim Denn, casada com o inválido e amargurado Professor Marc (José Ferrer). Ele a culpa pelo acidente que o deixou em uma cadeira de rodas, e trama sua morte utilizando seu feroz cão dobberman! 




Ela sobrevive sem memória e sem largar um pequeno ídolo primitivo (que comprara do sempre sinistro Reggie Nalder). O ídolo a possuí e também a seu carro, que passa a rodar pelas ruas causando diversos acidentes e mortes!?!







Segundo filme de Charles Band, depois um prolífico produtor/diretor por detrás da Empire Pictures & Full Moon Productions. Terror trash com a participação do veterano John Carradine...

Sue Lyon atuou em outra bizarrice produzida por Band: "End of the World" (O Dia do Juízo Final, 1977) de John Hayes...



Aqui, Sue vive Sylvia, a esposa do cientista Andrew Boran (Kirk Scott), que envia e recebe mensagens do espaço, entrando em contato com alienígenas. 




O eterno "Drácula" Christopher Lee, faz o padre Pergado, que é possuído pelo alien chamado Zindar, assim como algumas freiras de um convento. 




Os religiosos/alienígenas planejam a conquista da Terra e o fim da humanidade, através de desastres naturais...







Depois de aparecer na comédia de guerra "Não Empurre, Ataco Quando Puder' (1977), Sue voltou aos filmes fantásticos com "The Astral Factor" (O Estrangulador Invisível, 1978) de John Florea & Gene Fowler Jr....





 Um maníaco assassino (Frank Asmore) estuda poderes paranormais em sua cela, e apreende a ficar invisível....







...assim, ele consegue sair e estrangular as mulheres que testemunharam contra ele na justiça. Robert Foxworth é o tenente encarregado do caso, e Sue Lyon é Darlene DeLong, uma das testemunhas principais, e que é estrangulada durante seu banho em uma banheira... 





Um thriller feito para a TV, e aparentemente realizado como piloto de uma série, que nunca se concretizou. Foi re-lançado em vídeo (VHS) com o título de "Invisible Strangler", em uma versão re-editada... 

 Seu último filme foi "Alligator" (O Jacaré Assassino ,1980) de Lewis Teague...




Um terror "B", bastante divertido sobre um jacaré gigante que habita os esgotos de Chicago e aterroriza a população...



Sue faz uma ponta como a repórter da ABC que entrevista o carrancudo Brock (Henry Silva), caçador famoso contratado para matar a fera...




Ela se casou com um engenheiro de rádio, Richard Rudman e eles moram juntos em Los Angeles. Sue se aposentou da atuação e evita entrevistas...












Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...