domingo, 30 de setembro de 2012

As Mulheres de Frankenstein


FRANKENSTEIN : Criador & criatura, personagens que se confundem no imaginário popular. O Homem que fez um monstro, ou um monstro que fez um homem?  Apesar de a primeira imagem que se tem em mente ao ouvir o nome, seja uma criatura masculina, enorme e grotesca, a ideia de um monstro feminino é tão antiga quanto a própria história. No livro original, escrito pela jovem Mary Shelley, a criatura miserável promete deixar Victor Frankenstein e o resto da humanidade em paz se o cientista construir para ele uma fêmea. A nova criação não chega a ser completada e é destruída, gerando a fúria do monstro e a tragédia que atinge a noiva do jovem cientista e eles próprios.



A primeira criatura feminina nas telas foi Elsa Lanchester que estrelou "The Bride of Frankenstein" (A Noiva de Frankenstein, 1935) de James Whale, no papel duplo da criatura e da escritora Mary Shelley no prólogo. 








Uma grande atriz, um diretor renomado, a continuação de um filme de sucesso e um ator (Boris Karloff) eternizado pelo personagem com cabeça achatada e pinos no pescoço.
O visual da "Monstra" de Lanchester, inspirado pela rainha egípcia Nefertite, se tornou tão icônico quanto o de Karloff.
A primeira descendente do cientista a aparecer no cinema foi sua neta, a baronesa Elsa Frankenstein (Ilona Massey) em "Frankenstein Meets the Wolf Man" (Frankenstein Encontra o Lobisomem, 1943) de Roy W. Neill.







Apesar de todas as sequencias, refilmagens e paródias que seguiram o filme original, uma nova criatura fêmea só foi aparecer em 1958 na produção "B" "Frankenstein's Daughter" (A Filha de Frankenstein) de Richard Cunha. Apesar do título, o cientista que faz os experimentos é Oliver Frank (Donald Murphy), neto do Dr.Frankenstein original. Ele utiliza uma fórmula para transformar uma jovem (Sandra Knight) em uma aberração dentuça e com olhos de "ping-pong" e depois constrói sua própria criatura utilizando o corpo de uma garota assassinada. Se a criatura não parece nada feminino, a culpa é dos produtores que não avisaram o maquiador Harry Thomas deste detalhe. O jeito foi aplicar grande quantidade de batom nos lábios do monstro vivido pelo forçudo Harry Wilson!






A neta de Frankenstein, Maria (Narda Onyx), é que apronta das suas na Trash combinação terror-western "Jesse James Meets Frankenstein's Daughter" (Jesse James Contra a Filha de Frankenstein, 1965) de William Beaudine.




Uma das obras mais perfeitas do famoso cientista apareceu em " Frankenstein Created Woman" (Frankenstein Criou a Mulher, 1966) de Terence Fisher. O Barão Frankenstein (Peter Cushing) revive a bela Christina (a modelo da Playboy Susan Denberg) com a "alma" de seu jovem amante erroneamente executado. Ela se torna uma máquina de vingança sedutora.



Outra bela e inesquecível criação do barão apareceu em "Mad Monster Party?" (A Festa do Monstro Maluco, 1967) de Jules Bass, um filme infantil, musical com bonecos animados em stop-motion. O Barão Frankenstein (dublagem original por Boris Karloff) decide se aposentar e convida todos os monstros clássicos a sua ilha para escolher seu sucessor. Drácula, o lobisomem, a múmia, o homem invisível, Jekyll/Hyde, o corcunda, o monstro da lagoa, o monstro original e sua noiva (dublada pela comediante Phyllis Diller) e outras criaturas, brigam pelos segredos do cientista. Uma das revelações da divertida história é que a linda e desejada assistente do barão, a ruiva- fatal Francesca, é na verdade sua obra-prima!

                                     O Barão, os monstros e Francesca...aahhh..Francesca...

Pouca sorte teve o barão Frankenstein de Joseph Cotten em "La Figlia di Frankenstein" (A Mulher de Frankenstein,1971) de Mell Wells. Ele é morto pela sua criação, e sua filha Tanya (Rosalba Neri) continua suas experiências com o único intuito de preservar seu amante doente, transplantando seu cérebro para o de um retardado musculoso. Segundo a frase de divulgação do filme na época: "Somente o monstro que ela criou poderia satisfazer seus estranhos desejos !"










"La Maldicion de Frankenstein"(1972) de Jesus Franco, é mix típico do genial diretor espanhol: terror descerebrado e sexo. O Dr.Frankenstein (Dennis Price) é assassinado por uma mulher-abutre nua (Anne Libert) e sua criação (Fernando Bilbao) é roubada pelo mágico maligno Cagliostro (Howard Vernon). Ele quer forçar Vera Frankenstein ( Beatriz Savón), a filha do Dr. a criar uma companheira para o monstro poder reproduzir uma espécime superior. Vera precisa enfrentar o mágico, seus zumbis e o monstro transformado em um tipo de escravo sexual sadomasoquista!




Da Espanha para o México! "Santo Contra la Hija de Frankenstein" (Santo Contra a Filha de Frankenstein, 1972) de Miguel M. Delgado trás o herói-luchador El Santo, tendo que enfrentar Freda Frankenstein (Gina Romand) que quer seu sangue para se manter jovem. O monstro tradicional (aqui chamado Ursus) acaba ficando aliado do herói que tem que combater também um monstruoso homem-gorila.



Jane Saymour faz Prima, a bela criação de Victor (Leonard Whiting) em "Frankenstein: The True Story" (A Verdadeira História de Frankenstein, 1973) de Jack Smight. Neste telefilme de 3 horas, lançado nos cinemas em uma versão condensada, a criatura original (Michael Sarrazin) inicialmente é perfeito, mas algum problema na sua criação vai deformando-o. Já sua "meia-irmã", é bela mas mortífera.



Em "Andy Warhol's Frankenstein" (Frankenstein de Andy Warhol, 1973) de Paul Morrissey e Antonio Margheritti, o Barão Frankenstein (Udo Kier) vive em seu castelo com sua esposa ninfomaníaca Katrin (Monique Van Vooren) e seu casal de filhos pequenos e degenerados.


Ele constrói um casal de criaturas perfeitas (Dalila Di Lazzaro e Srdjan Zelenovic) com sonhos nazistas de uma raça perfeita, mas tudo vira uma orgia de gore e sexo em 3D!


Jerry Warren, um dos gurus do cinema trash, escalou um time de veteranos para "Frankenstein Island" (1981). Cameron Mitchell, Robert Clarke, Katherine Victor e John Carradine (em stock footage) são envolvidos em uma confusa aventura de horror, onde um grupo de balonistas aterrissa em uma ilha povoada por garotas selvagens com biquínis de pele, zumbis, a ta-ta-tara neta de Frankenstein, Sheila (Katherine Victor) e claro uma versão bem vagabunda do velho monstro.


                                                                 Sheila Frankenstein



Uma versão glamourizada e romântica da história clássica apareceu em "The Bride" (A Prometida, 1985) de Franc Roddam. Frankenstein (o cantor Sting) cria sua obra-prima, a bela Eva (Jennifer Beals) e se apaixona por ela. Enquanto isto, sua criação original Viktor (Clancy Brown) vaga e sofre pelo mundo, auxiliado pelo anão Rinaldo (David Rappaport).
A volta do "filho abandonado" para casa, gera claro, conflito e tragédia. Drama romântico e pouco terror.





A comédia francesa "Frankenstein 90" (1984) de Alan Jessua, tentou atualizar a história de Mary Shelley. O gênio cibernético Victor Frankenstein (Jean Rochefort), descendente do Frankenstein original, cria um monstro (Eddy Mitchell) com um cérebro equipado com um micro-processador. Quando o cientista constrói Corona (Anna Gaylor) uma noiva sexy a partir de corpos de dançarinas assassinadas, a criatura inteligente (sempre bem vestido e que gosta de andar de bicicleta) prefere Elizabeth (Fiona Gelin) a doce namorada de Victor.




"Frankenstein Unbound" (Frankenstein- O Monstro das Trevas, 1990) de Roger Corman, baseado na novela de Brian Aldiss, une ficção científica com a história clássica ao contar como um cientista do futuro (John Hurt) viaja no tempo e encontra o Dr. Frankenstein (Raul Julia), seu monstro atormentado (Nick Brimble), sua noiva Elizabeth (Catherine Rabett) depois transformada em companheira do Monstro e a própria autora da história Mary Shelley (Bridget Fonda).




A ideia da companheira do monstro ser criada a partir do cadáver da noiva de Frankenstein foi utilizada novamente no fraco Blockbuster "Mary Shelley's Frankenstein" (Frankenstein de Mary Shelley, 1994) de Kenneth Branagh. O próprio diretor faz o cientista, Robert de Niro é o monstro e Helena Bonham-Carter é Elizabeth e depois a criatura fêmea.















Jesus Franco fez mais uma releitura erótica do tema com a produção direta para o vídeo "Lust For Frankenstein" (1998) onde Lina Romay vivia Moira Frankenstein , a Scream  Queen americana Michelle Bauer uma criatura sedenta de sexo e Carlos Subterfuge o fantasma do Dr.Frankenstein.





Outra versão recente, também erótica e para o vídeo, é a comédia "Bikini Frankenstein" (2010) do prolífico (e sempre presente) Fred Olen Ray. Nos dias atuais, o Dr.Frankenstein (Frankie Cullen) é professor universitário nos Estados Unidos, até que é demitido por um acidente. De volta a Transilvânia, ele com a ajuda de sua assistente Ingrid (Brandin Rackley) resolve criar a mulher perfeita em seu laboratório. O resultado é a bela criatura chamada Eve (Jayden Colen), com um invejável apetite sexual!






e como já sabemos: esta história ainda não chegou ao fim!











                                                                   by Coffin Souza

Um comentário:

  1. Incrível como várias mulheres lindas fizeram esse papel... Susan Denberg, Rosalba Neri, Lina Romay...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...