quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Comidas (e devoradas...) pelos Canibais! (Parte 1)


O ciclo de filmes Italianos de canibais, uma mistura de aventuras exóticas e horror, sobre tribos primitivas no meio das selvas (Nova Guiné, Africa, Malásia, Colômbia, Brasil, etc.) aonde sempre chegam homens brancos civilizados para se horrorizarem com a selvageria do canibalismo, torturas, mortes de animais (quase sempre reais), rituais exóticos, sexo tribal, nudez...
Filmes de exploitation, com orçamentos minguados, filmados em locações, com roteiros banais, valorizando a ação, o gore e o sexo, quase sempre com o sub texto social: "Quem serão realmente os selvagens?"
O subgênero é filho direto das populares aventuras nas selvas dos anos 50/60, com outro gênero tipicamente italiano, os apelativos documentários conhecidos como "Mondo".
Vamos a uma seleção de filmes do gênero, suas atrocidades, curiosidades e belas (e despidas) vítimas, principalmente a Musa dos Canibais Me Me Lay...

MAS ATENÇÃO:
 *  Nenhum Humano foi Maltratado na elaboração deste post,
  * e se você tiver estômago fraco, pode usar um destes "Sacos de Vômito" personalizados....



1972: "Il Paese Del Sesso Selvaggio" (The Man From Deep River/ O País do Sexo Selvagem) de Umberto Lenzi, com Ivan Rassimov, Me Me Lai, Pratitsak Singhara. Um fotógrafo (Rassimov) é capturado por uma tribo primitiva em uma floresta tropical (filmado nos arredores de Bamgkok, Tailândia) e depois de meses entre eles (e de ser torturado e passar por provas difíceis), se casa com a linda filha do chefe (Lai) e os ajuda na luta contra uma tribo de canibais!
Lenzi praticamente criou o gênero com esta aventura violenta...







1976: "Ultimo Mondo Cannibale" ( The Last Survivor/ O Último Mundo dos Canibais) de Ruggero Deodato, com Ivan Rassimov, Massimo Foschi, Me Me Lay, Sheik Razar Shirkur.


Funcionários de uma empresa petrolífera sofrem um acidente aéreo e apenas um sobrevive em meio as selvas da Indonésia. Ele é capturado por uma tribo primitiva de canibais e mantido prisioneiro em um buraco na terra, tendo que se alimentar de animais vivos. Com a ajuda de uma jovem selvagem (Lay), ele escapa e procura uma forma de voltar a civilização. Quando Lenzi recusou a proposta de fazer uma continuação pra sua aventura, os produtores chamaram Deodato e o casal principal do elenco para outra jornada de violência (e sexo literalmente selvagem) nas selvas. Uma grande quantidade de cenas envolvendo morte de animais e a sempre gostosa Me Me Lay nuazinha...



1977: " Emanuelle e gli Ultimi Cannibali" (Trap Them and Kill!) de Joe D'Amato, com Laura Gemser, Gabriele Tinti, Donald O'Brien, Susan Scott, Monica Zanchi.


A sexy jornalista Emanuelle (Gemser) viaja com um grupo até as impenetráveis selvas amazônicas em busca de uma suposta tribo extinta de canibais. Mas os selvagens estão muito vivos e com fome, e os estranhos são suas vítimas.


D'Amato (Aristide Massacesi), um dos grandes mestre do gore e da sacanagem, entra no mundo dos canibais com a maravilhosa Emanuelle negra utilizando seus "tributos" para sobreviver. Como é um filme de D'Amato, as outras belas personagens femininas também se envolvem em situações sexuais, inclusive estupro coletivo pelos homens primitivos e muita mutilação genital (castração, seio arrancado, vagina cortada...arghhh!)




1978: " La Montagna del Dio Cannibale" (A Montanha dos Canibais) de Sergio Martino, com Ursula Andress, Stacy Keach, Claudio Cassinelli.
A linda loira Susan (Andress) organiza uma expedição aos confins da Nova Guiné para procurar seu marido desaparecido na selvas. Um a um, os membros do grupo são chacinados por uma tribo de canibais. Susan é capturada viva e mantida prisioneira  e adorada como uma divindade. A tribo parece ser toda de tarados (inclusive com um anão-canibal libidinoso), mas quando um deles tenta abusar da "deusa-loira", é devidamente castrado!





1978: "Papaya dei Caraibi" de Joe D'Amato, com Melissa Chimetti, Sirpa Lane, Maurice Poli, Dakar. Um grupo de geologista procura remover uma tribo de canibais de uma ilha remota para a construção de uma usina nuclear. Mas a linda e perigosa líder da tribo, Papaya (Chimetti) vai seduzindo em a um e levando-os a morte. Muita nudez e sacanagem (é D'Amato, é claro!) mas com a habitual violência sexual do gênero, incluindo uma castração com os dentes durante o sexo oral.






 

 



1979: "Cannibal Holocaust" (Canibal Holocausto) de Ruggero Deodato, com Robert Kerman, Francesca Ciardi.
Um antropologista americano (Kerman) volta de uma expedição a floresta amazônica com os filmes rodados por uma equipe de cinegrafistas que havia desaparecido e que mostra todo o horror e violência que eles testemunharam e sofreram.

O grande clássico do gênero! O maior mérito do segundo filme do gênero de Deodato, é sua metalinguagem. Rodado como um "falso documentário" e divulgado como verdadeiro (marketing utilizado anos depois em "A Bruxa de Blair" ,1999), fez muito sucesso e gerou polêmicas. Deodato chegou a ser processado e o filme ficou muitos anos proibido em vários países (inclusive na Itália). Rodado na Colômbia e em Tabatinga (Amazonas, Brasil) e com uma trilha sonora marcante de Riz Ortolani.




1979: "Mondo Cannibale" (Les Cannibales) de Jesus Franco, com Al Cliver, Sabrina Siani, Lina Romay. Um professor viaja pela selva amazônica com sua esposa e filha pequena. São atacados por canibais, a mulher é morta e ele foge ferido deixando a menina.
Anos mais tarde ele lidera uma expedição em busca da filha e descobre que Lena (Siani) é agora a deusa branca dos nativos. Verdadeiro trash de Franco, produção com baixo orçamento e rodado as presas. Nunca foi lançado na Espanha com seu título original "Rio Salvage" e foi distribuido pela produtora francesa de trasheiras Eurociné. Salva-se a beleza de Sabrina Siani e a cara-de-pau de Jesus, que aparece inclusive como um dos canibais muito fakes do filme.



 
1980: "Mangiati Vivi dei Cannibali" (Vivos Serão Devorados) de Umberto Lenzi, com Robert Kerman, Ivan Rassimov, Me Me Lay, Paola Senatore, Janet Agren, Mel Ferrer.
 Mulher viaja até a Nova Guiné para procurar sua irmã desaparecida e acaba envolvida com um culto de fanáticos e os nativos canibais da região. Aventura, gore e nudez neste ótimo exemplar deste ciclo. Lenzi escalou um elenco perfeito, com a volta de Rassimov (como o pastor maluco tipo Jim Jones), Me Me Lay e o dublê de ator e performance pornô Kerman (também conhecido no meio XXX como R.Bolla), entre outros.


  






 








1980: "Orgasmo Nero" de Joe D'Amato, com Richard Harrison, Nieves Navarro, Lucia Ramirez. Paul (Harrison) faz uma pesquisa em uma ilha tropical habitada por uma tribo muito primitiva (que pratica Vudú e canibalismo!). Sua esposa Helen (Navarro) começa um relacionamento (lésbico) com a nativa Haini (Ramirez). Eles acabam levando a selvagem para a civilização e aí os problemas realmente começam...Muita nudez e gostosa sacanagem e um pouco de canibalismo. Na verdade o filme começou a ser rodado como um trama erótico e o sub-texto sangrento foi adicionado depois. Curiosidade filmada na República Dominicana.

















1980: "La Regina dei Cannibali" (Dr.Butcher M.D./Zombi Holocaust/ Zumbi Holocausto) de Frank Martin (Marino Girolami), com Iann McCullogh, Alexandra Delli Colli, Sherry Buchanan. Uma expedição científica americana vai a ilha de Moluccas em busca de uma tribo de canibais que adora o primitivo deus Kito. Encontram os selvagens e também uma horda de zumbis antropófagos criados por um médico louco. A linda Susan (Buchanan) acaba sendo a rainha dos nativos e uma guerra sangrenta entre canibais vivos e mortos-vivos acontece! E tinha mesmo que acontecer o encontro de dois gêneros adorados pelos italianos ( e por todos nós!) : Canibais e Zumbis! Muito gore em um filme onde os nativos canibais são até heróis!

 














                                                      CONTINUA na Parte 2...

Um comentário:

  1. Desses filmes citados eu só assisti a esse da Emanuelle negra. Gostei muito!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...