quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Maria Perschy: Beleza,Talento & Tragédia


Uma das belezas mais serenas e elegantes do cinema europeu, Maria Perschy teve uma carreira marcada pelo sucesso de crítica e público, filmes trash e tragédia pessoal.
Nascida Herta-Maria Perschy em 1938, no interior da Aústria, mudou-se aos 17 anos para Viena para estudar interpretação com o famoso Max Reinhardt.













 Começou sua carreira na Alemanha na metade dos anos 50, em comédias ligeiras com um contrato com o Bavaria Films Studios. Eclética, fez depois filmes de terror, drama, Westerns e aventuras na Espanha, Itália, França, Reino Unido e em Hollywood. Nos Estados Unidos, trabalhou com Montgomery  Clift em "Freund - Além da Alma" (1962) de John Huston; com Rock Hudson, no aclamado "O Esporte Favorito dos Homens" (1964) de Howard Hawks e na aventura de guerra "633 Squadron" de Walter Grauman com Cliff Robertson.





Neste ano, recebeu o Golden Laurel Award, como uma das 10 mais promissoras novas atrizes de Hollywood.
 Apesar de uma carreira praticamente certa, nas terras de Tio Sam, a linda e inquieta austríaca não deixou de atuar na Europa , e apareceu em filmes policiais alemães (como o misto de policial com terror "Der Henker von London", 1963 de Edwin Zbonek, baseado em Edgar Wallace)...




                                                                 Maria em perigo.

... comédias italianas e em "Euro-westerns" como "Die Banditen von Rio Grande" (1965) na Alemanha; "Donne Alle Frontiera" (1966) do italiano Gianfranco Parolini e "Los Siete de Pancho Villa" (1967) na Espanha.











Sua primeira incursão no cinema fantástico veio com a comédia "Una Bruja Sin Escoba" (A Witch Without a Broom, 1967) de José Maria Elorrieta. Um professor americano (Jeffrey Hunter) se torna a paixão de uma jovem bruxa loira (Perschy), que entre outras trapalhadas viaja com ele para diversas épocas do passado e finalmente para um futuro apocalíptico. Na sequencia passada no tempo das cavernas, Perschy faz uma sátira a Rachel Welch em "One Million Years B.C." (1966) com um revelador biquíni de peles.










No mesmo ano esteve ao lado de Klaus Kinski e Christopher Lee no drama policial de suspense "Five Golden Dragons" de Jeremy Summers, baseado em um livro de Edgar Wallace e produzido pelo prolífico picareta Harry Allan Towers.





                                             












 Sob a batuta do "mestre-trasheiro" Jesus Franco atuou em "El Castillo de Fu-Manchu" ( O Castelo de Fu-Manchu,1969) com Christopher Lee e Richard Greene. O diabólico vilão chinês (Lee) utiliza uma avançada arma para congelar os oceanos do planeta. Seu eterno inimigo Nayland Smith (Greene), agente da Interpol, luta contra o plano maquiavélico. Perschy, no papel de Marie,corre perigos e ajuda a embelezar algumas cenas, assim como a deusa italiana Rosalba Neri.














Nos EUA, ela fez parte do elenco de um dos melhores filmes do diretor Gordon Hessler: "Murders in the Rue Morgue" (1971) com Herbert Lom , Adolfo Celi e Jason Robards. Uma mistura do conto de Edgar Alan Poe com a história do "Fantasma da Ópera" de Gaston Leroux. Um grupo teatral que encena uma peça baseada em Poe, é assombrado por um homem enlouquecido e deformado (Lom, reprisando seu papel de 1962) em busca de vingança. Maria Perschy vive a atriz Genevre, que morre queimada com ácido...






 Nesta época, durante as filmagens de um filme de guerra na Espanha, Maria Perschy sofreu graves queimaduras de verdade em seu rosto, permanecendo muito tempo em hospitais .

 











 Depois de diversas cirurgias plásticas ela finalmente conseguiu retornar a sua carreira com o gore "El Jorobado de la Morgue" (1972) de Javier Aguirre com o astro espanhol dos filmes de terror Paul Naschy (Jacinto Molina). Gotho, um corcunda deformado que trabalha em um necrotério faz um pacto com um médico louco que precisa de partes de cadáveres para alimentar uma criatura que ele criara. Em troca ele promete ressuscitar uma jovem por quem o corcunda era apaixonado. Ela faz um pequeno papel como a gostosa Frieda.







No mesmo ano, ela estrelou o thriller de horror ao estilo Bava/Argento "El Espectro del Terror", de José María Elorrieta (roteiro,direção,produção), sobre um assassino psicopata que gosta de matar aeromoças e dissolver seus corpos em ácido. Perschy é a sua vítima da vez, mas a valente garota consegue destruir o tarado no final.



Ela se tornou então uma das atrizes favoritas do Terror espanhol e do ator/roteirista/diretor Naschy/Molina. Em "Los Ojos Azules de la Muñeca Rota" (1973) de Carlos Aured, ela é Yvette, uma das 3 irmãs perturbadas que contratam um ex-presidiário (Naschy) para trabalhar em sua velha casa sinistra em cima de um morro. Assassinatos violentos começam a acontecer e garotas loiras de olhos azuis são chacinadas e seus olhos removidos. A personagem de Perschy passa grande parte do tempo em uma cadeira de rodas...mas não é inocente nem frágil como parece!








Mas ela fez o papel de Scream Queen em "El Buque Maldito" (Horror of the Zombies,1974) de Amando de Ossorio, terceiro filme com os Templários mortos-vivos. Agora os zumbis cegos e apodrecidos atacam um grupo de jovens modelos a bordo de um galeão maldito. Sua personagem faz parte do grupo de investiga os desaparecimentos das garotas. 




Maria viveu Patricia, a mãe de uma garota que é possuída por um demônio e precisa ser exorcizada pelo padre Adrian (Paul Naschy) em "Exorcismo" (1974) de Juan Bosch, obviamente "inspirado" no arrasa-quarteirão da época "O Exorcista".


Junto com Paul Naschy, ainda apareceu na aventura exótica "La Diosa Salvage" (1975) de Miguel Iglesias, sobre um grupo de sobreviventes de um naufrágio que chegam a uma ilha habitada por uma raça de lindas Amazonas lideradas pela rainha Kilma (Eva Miller/Blanca Estrada). As garotas guerreiras são bastante perigosas e a presença dos estranhos desencadeia uma série de conflitos. E também estiveram juntos no drama de terror/ ficção científica pós- apocalíptica "Último Deseo" (1976) de Léon Klimovsky, conhecido nos EUA como "The People Who Own the Dark".

















Em 1977, Perschy se casou com o escritor americano John Nelson e se mudou para Los Angeles, fazendo algumas participações em séries de TV como "Hospital" (1977) e "Hawaii 5-0" (1978). Em 1983 outra tragédia em sua vida, seu marido comete suicídio e ela decide voltar para sua terra natal.
Ela ainda faria um papel no thriller de horror americano "Vultures in Paradise" (1987) de Paul Leder, ao lado de Aldo Ray, Stuart Whitman e de Yvonne De Carlo. Dedicou-se então a filmes e séries de TV europeias, até
o começo de 2000. 
Maria Perschy (e seus lindos olhos azuis claros) morreu de câncer em dezembro de 2004 com 66 anos...





                                                                  por Coffin Souza

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Bettie Page, Julie Strain, Kascha: As Mulheres de Armando Huerta



“Eu gosto de histórias em quadrinhos; heroínas como Mulher Maravilha e Vampirella, esse tipo de ícones poderosos. E eu também quero expressá-las em minhas pinturas, porque a mulher é o ser mais poderoso da Terra. Mais poderoso do que as forças da lua, arco-íris, ou as estrelas.”

Armando Huerta nasceu no México em 1969, atualmente mora na Califórnia e desde criança sentia uma grande necessidade em desenhar, desenhava tudo o que via na TV, mas seus personagens preferidos eram Godzilla e robôs japoneses. Seu desenvolvimento artístico é totalmente autodidata. Huerta busca inspiração nas obras do ilustrador japonês Hajime Sorayama e aprendeu suas técnicas copiando e seguindos as instruções de um dos livros de Sorayama. O ano de 1993, tem um grande significado na carreira de Armando Huerta, pois ele aprendeu a usar a técnica de airbrush para criar suas pin ups. Então ele envia e-mails para Bangladesh, Alemanha, Polónia, Canadá, Reino Unido e partes dos EUA e com a ajuda Internet espalha em todo o mundo sua arte.

“Eu sempre gostei de mulheres, eu acredito que as mulheres são o que há de mais belo na Terra. Eu não tenho qualquer interesse em desenhar aviões ou naves ou botos, mesmo que eu possa fazer isso facilmente. Eu gosto de mulheres, todos os tipos de mulheres, então demonstro o amor por elas em minhas pinturas.” 


Mulheres voluptuosas, sensuais e, geralmente, "fatais" fazem parte das obras de Armando Huerta. Ele, que já trabalhou para a revista Playboy e Coca-Cola, é conhecido também por criar pin ups baseadas em pessoas reais (sejam essas musas fomosas ou não), entre as famosas estão Pamela Anderson, Bettie Page, Julie Strain,  e até a deusa pornô Kascha.




Kascha

Abaixo, uma seleção de seus trabalhos, alguns super realistas, enquanto outros mais estilizados, todos muito eróticos e imensamente excitantes:




























 





Em mais de 10 anos de trabalho, Armando Huerta tem 4 livros publicados, conheça mais sobre seu trabalho no site http://www.armando-huerta.com/


Por Gisele Ferran

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...