sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

SexyNazisploitation


Vamos a uma receita: Uma dose generosa de clichês do subgênero W.I.P. (Mulheres na Prisão), duas de sadismo, duas de sexo, e sangue a gosto. Misturar tudo e temperar com uniformes e armas da Segunda Grande Guerra. Está pronto um coquetel Nazi-Explotation!
Europa, anos 40: em campos de concentração ou bordéis da SS, prisioneiras são utilizadas como prostitutas ou cobaias para experimentos perversos. O comandante do campo é um sádico pervertido e sempre existe um nazista boa-pinta e simpático que não concorda com as crueldades e se apaixona por uma prisioneira gostosa. E as prisioneiras são garotas lindas e nuas. Ah! e  o sotaque dos alemães e franceses é engraçado, já que grande parte das produções deste sub-gênero polêmico e desprezado pela crítica vem da Itália.



O cinema sexysploitation procurava novas facetas para renovar o interesse do público e depois de David Friedman e H.G.Lewis terem misturado o Gore com mulheres peladas, faltava apenas o elemento histórico. Então apareceu "Love Camp 7" (1968) de Robert Lee Frost , o pioneiro do ciclo e que lançou diversos elementos do gênero descritos acima.  


Na trama, duas jovens oficiais (Maria Lease e Kathy Williams) se infiltram disfarçadas de prisioneiras em um campo de concentração para obterem informações sobre as experiências nazistas realizadas lá. As coisas dão erradas e elas são submetidas as mesmas humilhações e torturas como as outras detentas. O próprio produtor do filme barato Robert Creese, faz o comandante do campo e David Friedman também "atua" como o Coronel Max Kemp!



Logo surgiu a primeira imitação, ainda em solo americano, o ainda muito mais barato e vagabundo "SS Cutthroats"/"She Devils of the SS" (1969) de John Hayes, com as cenas de tortura sendo dispensadas em troca de muita ação softcore.
Então o primeiro "Clássico" do gênero apareceu: "Ilsa - She Wolf of the SS" ( Ilsa, a Guardiã Perversa da SS,1974) de Don Edmonds, com produção de David Friedman ( com o pseudônimo de Herman Traeger). Rodado nos cenários desocupados da série de TV "Guerra, Sombra e Água Fresca" e com efeitos gore bastante bons de Joe Blasco, a produção canadense rendeu uma fortuna mundo afora e transformou a  peituda atriz Dyanne Thorne em um ícone do cinema Exploitation. 
Ilsa (Thorne) dirige um campo de concentração aonde são realizados experimentos médicos medonhos e muitas sacanagens e torturas sexuais com prisioneiros e prisioneiras. Ela é uma ninfomaníaca que castra os coitados que não conseguem satisfaze-la e os experimentos visam provar que a resistência da mulheres à dor é maior do que a dos homens. Entre as belas vítimas das torturas nazistas, a maravilhosa Uschi Digard tem destaque ao ser explodida em uma câmara de descompressão!




Uma curiosidade da época é uma comédia Turca brincando com o tema chamada "Cilali Ibo Avrupada" (1970) de Osman F. Seden...



O cultuado diretor de cinema erótico (Giovanni)Tinto Brass, realizou o estiloso "Salon Kitty" (1975), com Helmut Berger, Ingrid Thulin, Paola Senatore. O comando da SS resolve criar um bordel para seus soldados, comandado por Madame Kitty (Thulin). O local serviria para espionar suas próprias tropas, mas uma garota se apaixona por um  capitão rebelde e acaba sabotando a operação. Sem violência, mas com muita sacanagem soft ( montanhas de mulheres bonitas!), o filme foi uma das maiores influências para o gênero na Itália.



Logo surgiu uma versão extremada para o ciclo chamada "La Svastica nel Ventre" (Campo Nazista 27, 1976) de Mario Caiano. Sirpa Lane ("La Betê") é a jovem judia Hanna, que é capturada e colocada para trabalhar em um bordel nazista.
Ela resiste em colaborar e é condenada a morte, mas salva pelo comandante do campo, que a quer para seus prazeres masoquistas. Cenas de sexo gratuitas ( e algumas explícitas), estupros, violência e uma prisioneira que é estuprada com um chifre de touro!






E a coisa continuou "pesada" com "La Ultima Orgia dell III Reich" (Calígula Reencarnado Como Hitler/As Condenadas (VHS),1976) de Cesare Canevari. Em outro campo/bordel, a corajosa Lisa (Daniela Poggi) é a vítima preferencial das atrocidades nazistas. Muito sexo, torturas, cirurgias gore, coprofagia, nazistas canibais e um bebê devorado por cães!













"Casa Privata per le SS" (Garotas da SS, 1976) de Bruno Mattei, conta um plano de Hitler, de criar uma super-prostituta capaz de satisfazer muitos oficiais nazis e ser utilizada em missões de espionagem. O experimento é conduzido em um campo/bordel por cientistas e supervisionado pela bela e sádica comandante Hans (Gabriela Carrara). Pouca violência, mas muita sacanagem soft (mas uma cena ultrajante onde uma prisioneira é estuprada por um homem deformado de verdade) e uma longa orgia de sexo e bebidas que parece ter agradado bastante o elenco!





E porque não misturar um monstro vagabundo na receita? "La Bestia in Calore" (SS Hell Camp, 1976) de Luigi Batzella, mostra como uma oficial nazista ao estilo Ilsa (Macha Magall) manda raptar mulheres jovens para experimentos em nome do Führer envolvendo um homem-fera tarado (Sal Boris/ Salvatore Beccaro), que ela mantém em uma jaula. Quando as garotas não são dissecadas vivas ou eletrocutadas nas partes íntimas, são colocadas na jaula do monstro. Em uma cena a criatura estupra uma jovem e arranca seus pelos pubianos (e um pouco mais...) com os dentes! Soma-se a isto muitas cenas de sexo, torturas de todos os tipos e risíveis cenas de guerra, além de cenas enxertadas de outros filmes: Um clássico  Nazi-Trash!!!













E falando em situações Trash, "Lager SSadis Kastrat Kommandantur" (SS Experiment  Love Camp, 1976) de Sergio Garrone é chocante e engraçado ao mesmo tempo. No dito Campo, são feitas experiências sádicas com as prisioneiras ( congeladas, queimadas, eletrocutadas, etc..) e o oficial superior decide que precisa de novos testículos, que são extraídos de um soldado nazi que se apaixonara por uma das garotas (em uma cena de cirurgia explícita). Quando se confronta com o oficial, o soldado capado pergunta furioso: "Seu bastardo! O que você fez com minhas bolas?". Uma história de amor com namorados em perigo e muito sadismo e gore.






O sempre divertido Bruno Mattei, imaginou experimentos diferentes para "KZ-9 Lager di Sterminio" (SS Extermination Camp, 1977): reviver soldados nazistas congelados e curar  homens de seu homossexualismo utilizando duas prisioneiras libidinosas (cena hilária abaixo) . Ah, claro, também existem cenas de torturas, cirurgias, lesbianismo e necrofilia. Coisa fina.



Vieram também: "Kaput Lager: Gli Ultimi Gioni delle SS" (1976) de Luigi Batzella; "Le Deportate della Sezione Speciale SS" (Gestapo- Esquadrão da Tortura, 1976) de Rino de Silvestro; "Fraulein Devil" (1977) de Patrice Rhomm; "Hell Train" (1977) de Alain Payet; "Le Lunghe Notti Della Gestapo" (As Noites Rosas da Gestapo,1977) de Fabio de Agostini;  "Nathalie dans L'Enfer Nazi" (1977) de Alain Payet; "East of Berlin" (1977) de A.M. Frank; "SS Lager 5: L'Inferno delle Donne" (1977) de Sergio Garrone;  "Holocaust 2" (1978) de John Jonathan; "SS Bordello" (1978) de José Bénazéraf, com Brigitte Lahaie; "Prisioner of Paradise" (1980,XXX) de Gail Palmer com John Holmes; "SS Girls" (1980,XXX); "Stalag 69" (1982, XXX);  "Blue Ice" (1984, XXX) de Phil Marshak com Paul Thomas; "Saloon Kiss" e "Le Bambole del Führer" (1995, XXX) de Joe D'Amato e muitos outros...



Para muito mais informações detalhadas sobre o gênero, recomendamos o Blog especializado de Matheus Ferraz
Fräuleins sem Uniforme.


        ABAIXO O NAZISMO!...e viva o Nazisploitation!!!


                                                             
                                                                by Coffin Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...