segunda-feira, 4 de março de 2013

Helga Liné: Beleza e classe entre monstros, zumbis e vampiros


Fêmea Fatal, Scream Queen e deusa sexy do cinema europeu, principalmente da Espanha e Itália. Helga Liné nasceu Helga Lina Stern em Berlin, Alemanha em julho de 1932. Sua família circense, se refugiou durante a Segunda Grande Guerra em Portugal, onde a pequena Helga, seguindo a tradição, começou a trabalhar em um circo como acrobata e contorcionista. Ainda muito jovem, fez uma ponta no cinema em um drama de guerra "Porto do Abrigo" (1941). Logo se destacaria por sua beleza sofisticada: alta, esguia, ruiva e com um ar aristocrático. Foi bailarina, modelo e vedete dividindo sua carreira entre o picadeiro, os palcos e as telas.


                       a bela Helga (aqui loira e com 20 anos) no filme "Os Saltimbancos"

Fez sucesso no cinema de aventura italiano dos anos 60, onde começou com "Il Conquistador di Maracaibo" (Drake, o Corsário, 1961) de Eugenio Martin. Sua primeira incursão no gênero Terror foi no apropriadamente intitulado "Horror" (1963) de Alberto de Martino, baseado em Edgar Allan Poe e que contava o drama gótico de uma família atingida por uma antiga maldição.















Helga Liné se transformou em uma das rainhas do gênero "Peplum" (aventuras de forçudos heróis mitológicos, muito populares na Itália nos anos 60). Ela mostrou sua beleza em "Gli Invincibili Sette" (Os 7 Invencíveis, 1963); "La Rivolta dei Sette" (Os Gladiadores Espartanos, 1964); "Ercoli contro il Tiranni di Babilonia" (Os Tiranos da Babilônia, 1964); "Spartacus e gli Invincibili 10 Gladiatori" (Spartacus e os 10 Gladiadores, 1964); "Il Trionfo delli Dieci Gladiatori" (1964) e "Golia alla Conquista di Bagda" (1965), vários deles dirigidos por Alberto de Martino.





Helga esteve ao lado da deusa do cinema de horror Barbara Steele em "Amanti d'Oltretomba" (Amor de Vampiros, 1965) de Mario Caiano. Um casal de amantes é torturado e assassinado pelo marido traído e sádico (Paul Muller). Anos depois, já com uma nova e bela esposa, ele é assombrado pelo casal que retorna da tumba em busca de vingança. Um terror gótico e romântico, com Barbara Steele em papel duplo e Helga Liné como uma mulher que mantém a juventude com sangue humano...Tudo ao som de Enio Morricone. 




Liné esteve mais linda e sedutora do que nunca em dois filmes baseados no personagem dos "Fumetti" (quadrinhos italianos) Kriminal. Criado por Magnus e Max Bunker em 1964, Kriminal é um perigoso e sádico ladrão e assassino inglês. Em "Kriminal" (1966) de Umberto Lenzi e "Il Marchio di Kriminal" (1968) de Fernando Cerchio e Nando Cicero, o anti-herói com roupa de caveira é vivido por Glenn Saxon, e Helga faz papéis diferentes em cada um deles.





Em "Mio Caro Assassino" (O Carrasco da Mão Negra, 1972) de Tonino Valeri, um giallo sobre um detetive investigando uma série de assassinatos violentos que teriam origem no sequestro de uma jovem, Helga Liné faz a esposa da primeira vítima (que é decapitado) e acaba sendo estrangulada.

Ela esteve a bordo do "Horror Express"( Expresso do Horror/Pânico no Expresso Transiberiano, 1972) de Eugenio Martin com Peter Cushing, Christopher Lee e Telly Savalas. Uma co-produção Inglaterra/Espanha, sobre um fóssil raro encontrado na China em 1906, e que é transportado em um trem. A criatura monstruosa que parecia ser um elo perdido é na verdade um alienígena congelado, que acorda e suga a mente dos passageiros e bandidos que assaltam o expresso transformando-os em zumbis de olhos vazios e sangrentos.





Em "El Espanto Surge de la Tumba" (1973) de Carlos Aured, Helga Liné faz o papel da perversa e predadora Mabile de Lancré, que é torturada e executada na França medieval junto com seu companheiro o feiticeiro Alaric de Marnac (Paul Naschy). Nos anos 70, eles são revividos por descendentes e procuram vingança sacrificando pessoas e revivendo mortos como zumbis.















Em outra parceria com a dupla Carlos Aured/Paul Naschy "La Venganza de la Momia" (1973), Helga fez uma ponta na história de uma múmia rediviva que precisa de sangue de garotas virgens.
No mesmo ano, Helga esteve envolvida com uma das muitas aventuras do lutador-herói-agente internacional El Santo. "Santo contra el Doctor Muerte" (1973) de Rafael Romero Marchent, uma co-produção hispano-mexicana em uma trama complicada envolvendo o restaurador de quadros Dr.Mann (Jorge Rigaud) que induz tumores malignos em belas modelos e utiliza o soro extraído deles para criar cópias perfeitas de obras de arte. Liné é Sara, sua assistente que acaba morrendo dissolvida em uma banheira de ácido.


Voltando ao mundo dos Pepluns, Liné fez a alta sacerdotiza de uma tribo de Amazonas em "Le Guerrieri dal Seno Desnudo" (A Guerra das Fêmeas) de Terence Young. Na trama de aventura e erotismo, a tribo de mulheres está em crise em meio a escolha de uma nova rainha e rusgas (e namoros) com guerreiros gregos...



   





Helga Liné viveu Munia, uma das sensuais noivas do Conde Drácula em "La Saga de los Drácula" (1973) de León Klimovsky. O também diretor Nasciso Ibáñez Menta é o velho conde, preparando o nascimento de seu neto, enquanto seu "genro" se diverte com as vampirinhas. Nudez, sleaze e gore em um drama familiar vampiresco!









Ela voltaria ao território dos chupadores de sangue em "La Orgia Nocturna de los Vampiros" (1974) de Léon Klimovsky.
Um ônibus de turistas para em uma pequena vila no interior da Europa, sem saber que o lugar é completamente dominado e habitado por vampiros. Helga faz a Condessa, a rainha dos sanguessugas em uma produção regada a sangue e muita nudez...











No psycho-killer "El Asesino de Muñecas" (1975) de Miguel Madrid, um jovem jardineiro utiliza uma máscara de porcelana com a cara de uma boneca para massacrar jovens mulheres. Helga Liné faz o papel sensual de uma condessa lésbica.



Helga foi a atriz principal (ou melhor, o monstro principal!) de "Las Garras de Lorelei" (1976) de Amando de Ossorio. O filme conta a lenda da bela Lorelei, que vive em uma gruta próxima a um rio. Nas noites de lua cheia, ela se transforma em um monstro anfíbio e procura vítimas para arrancar o coração. Liné alterna suas aparições, em minúsculos trajes ou coberta por uma fantasia (fake!) de borracha para dar vida ao monstro lendário.




"Los Ritos Sexuales del Diablo" (1982) de José Ramón Larraz, trás Helga Liné em um de seus últimos papéis em filmes de terror (sua filmografia é extensa e engloba praticamente todos os gêneros). O argumento de uma mulher na pista de seu irmão que foi sacrificado por um culto satanista, é apenas desculpa para Larraz apresentar várias cenas com lesbianismo, zoofilia, sodomia e orgias, aproveitando o relaxamento da censura na Espanha da época.





 Helga Liné se manteve ativa no cinema e fez papéis em dois filmes de Pedro Almodóvar "Labirinto de Paixões" (1982) e "A Lei do Desejo" (1987). Em 1991, ela se mudou para Buenos Aires, continuando no entanto sua carreira na Europa, principalmente no teatro e em séries de TV. Em 2005 fez uma ponta/homenagem na comédia policial "Torrente 3- El Protector" (Torrente 3: O Protetor) de Santiago Segura, assumidamente seu fã...





                                                                      by Coffin Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...