segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

As Belas & as Feras




"A Bela e a Fera" (La Belle et la Bête) é um tradicional conto de fadas francês criado originalmente por Gabrielle-Suzanne Barbot em 1740. A escritora Jeanne-Marie LePrince de Beaumont resumiu e modificou a obra original em 1756 e esta versão tornou-se a mais conhecida, adaptada, encenada e filmada.
A primeira versão para o cinema data de 1899, dos estúdios franceses Pathé, e outras cinco foram realizadas ainda no cinema mudo.  A mais famosa de todas foi escrita e dirigida por Jean Cocteau "La Belle et la Bête" (1946), com Jean Marais como a criatura monstruosa que vive em um castelo sinistro na floresta e Josette Day como a garota virginal que é levada para morar lá e cujo amor quebra o encanto e faz a fera voltar a sua forma de um encantador príncipe-dos-sonhos.

Um clássico do cinema, carregado de imagens maravilhosas e surrealistas e com um clima romântico e melancólico.



A versão americana "Beauty and the Beast" ( A Bela & a Fera, 1962) de Edward L. Cahn, aproxima a história com o mito do lobisomem, já que a maldição que atinge o Duque Eduardo (Mark Damon) o transforma na fera todas as noites, para o horror de Lady Althea (Joyce Taylor)...




"Rendez-Vouz en Forêt" (1972) de Alain Fleicher com sua mulher Catherine Jourdan, apresentou uma abordagem mais adulta para a fábula, mas foi com "La Betê" (A Mulher...e La Betê, 1974) de Valerian Borowczyk que a história tomou ares eróticos pela primeira vez.




 A americana Lucy (Lisbeth Hummel) viaja para o interior da França e tem sonhos com a Marquesa Romilda (Sirpa Lane), que no século 18 teria sido estuprada por uma criatura monstruosa. Seus pesadelos/sonhos eróticos acabam levando-a até a Fera bem dotada que no final revela ser o tratador de animais Mathurian (Pierre Benedetti), seu noivo.



 As cenas de acasalamento entre cavalos e as de Sirpa Lane com a fera tarada e esquisita (interpretada pelo próprio diretor) fizeram o filme ser proibido ou severamente censurado em muitos países.






O filme serviu de inspiração para um pornô de...ficção científica! "La Bestia Nello Spazio" (1980) de Al Bradley (Alfonso Brescia). Uma equipe de astronautas viaja ao longínquo planeta Lorigon, em busca de um raro mineral radioativo. 
A tripulante Sondra (Sirpa Lane) tem estranhos sonhos eróticos e após pousaram no planeta e tomarem contato com a população, todos passam a ter desejos extremos por sexo. O anfitrião de Lorigon, Onaph ( Claudio Undari) revela ser uma espécie de sátiro espacial com um pênis enorme e claro, acaba fazendo sexo com Sondra. 








Uma mistura de La Betê com um clone de Star Wars, assunto do qual o diretor era especialista (Guerra Nello Spazio, Battaglie Negli Spazi Stellari, La guerra dei Robot).




Uma versão mais sombria e atmosférica foi realizada na Tchcoslováquia, "Panna a Netvor" (nos EUA; The Virgin and the Monster, 1978) de Juraj Herz. A torturada besta-fera (Vlastimil Harapes, bailarino do Teatro Nacional de Praga) é uma combinação de homem com pássaro e seu castelo assombrado possuí estranhas estátuas e criaturas como no clássico de 1946.




Após duas adaptações para a TV ( 1976 com George C. Scott como uma fera-javali e 1984 com Klaus Kinski dirigido por Roger Vadim) a fábula foi adaptada para uma série (1987-1990) ambientada nos dias atuais e estrelada por Ron Perman (a Fera em maquiagem de Rick Baker) e Linda Hamilton (e depois Jo Anderson) como uma policial ajudada pelo homem-besta de instintos nobres.



                                                                                   1976


                                                                                   1984



                                                         Linda Hamilton & Ron Perman

 O conto de fadas caiu então nas mãos de Paul Thomas que realizou "Beauty and the Beast" (A Bela Depravada e a Fera,1988), versão hardcore bem produzida e divertida. Tracey Adams é Bela, que é enviada por seu pai para o castelo de Lorde Beastington (John Leslie). Eles transam muito, se apaixonam e quebram o feitiço que atormenta o nobre.





A sequencia das sacanagens no mundo de conto de fadas foi realizada em 1990 "Beauty and the Beast 2" (Fábula Erótica,1990) de Paul Thomas. O elenco principal retorna, mas aqui a putaria é centrada nas filhas safadas de Lorde Beastington, que no final acaba retornando a sua forma de fera.

No mesmo ano, a Full Moon Productions lança "Meridian - Kiss of the Beast" (Seduzida Pelo Horror) de Charles Band. Sherilyn Fenn é Catherine, que se envolve com dois irmãos gêmeos (Malcolm Jamielson) que atuam em um circo itinerante. O problema é que o irmão bonzinho e simpático se transforma em uma fera peluda quando excitado sexualmente.





A animação-musical da Disney "A Bela e a Fera" (1991) de Gary Trousdale e Kirk Wise foi o primeiro desenho animado indicado ao Oscar de Melhor Filme (e não em sua categoria), um sucesso mundial que rendeu continuações para o mercado de vídeo e renovou o interesse pela fábula, gerando imitações e paródias sexuais como "Belle: Beauty and Beast"...






                                                                             (2009)

Uma nova adaptação  milionária para o cinema está prevista para este ano...pelo jeito ainda não está na hora do homem-fera e sua princesa curtirem seu amor em paz...




                                                                                                                       by Coffin Souza






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...