sexta-feira, 20 de junho de 2014

Garotas Canibais: Elas Comem a sua Carne!


Canibalismo: O ato ou prática de comer membros de sua própria espécie. Geralmente se refere aos seres humanos que comem outros seres humanos. Também conhecido como Antropofagia. O Canibalismo, desde os povos antigos é uma uma prática ligada a crenças místicas e religiosas. Dos antigos grego, tribos africanas, a Igreja Católica (lembre-se que nesta religião simbolicamente o corpo e o sangue de Cristo é consumido) sempre fizeram certas cerimônias ou ritos onde ingerem (literalmente ou simbolicamente) o corpo de algum deus ou inimigo, acreditava-se que de alguma forma consegue adquirir os poderes ou qualidades deste.
Já tratamos aqui no SHE DEMONS, do ciclo de filmes sobre canibais devorando lindas vítimas (Comidas (e Devoradas pelos Canibais), mas quando a situação é inversa???



"Cannibal Girls" (1972) de Ivan Reitman. Um casal (Eugene Levy, o Sr.Levenstein da série "American Pie" e Andrea Martin) visitam uma antiga casa de campo transformada em um restaurante no interior gelado do Canadá. Lá encontram o reverendo St.John (Ronald Ulrich), uma espécime de guru divertido; Bunker, o inevitável empregado deformado/retardado e três lindas garçonetes (Randall Carpenter, Mira Pawluk e Bonnie Neilson)  .



 Logo descobrem que uma lenda local sobre garotas canibais-sedutoras é verdadeira, que o reverendo converteu toda sua vizinhança ao canibalismo e o restaurante é especializado no prato! E mais ainda, o reverendo está a procura de uma nova garota para seu séquito...





Terror, sexo e humor-negro. Segundo filme de Ivan Reitman (Os Caça Fantasmas) e que brinca com o gênero "casa-mal-assombrada" e com o canibalismo. A faceta místico/religiosa da antropofagia está presente aqui, com todo o ato sendo representado de forma ritualística e os "jantares canibais" se assemelhando a sangrentas "santas ceias"...



Um Gimmick (truque publicitário) incluiu nos cinemas da época na época um alerta sonoro que avisava antes das cenas mais violentas ( "Quando ele tocar-feche os olhos se você estiver enjoado!") .




Garotas canibais apareceram antes no clássico "Spider Baby" (1964) de Jack Hill, filmado com o título provisório de "Cannibal Orgy or the Maddest Story Ever Told". Mas no caso das meninas da família Merrye (Beverly Washburn e Jill Banner), o canibalismo era gerado por uma doença hereditária...






Um jantar animado e de cunho ritualístico aparece no episódio "Ideologia" de "O Estranho Mundo de Zé do Caixão" (1968) de José Mojica Marins. O Prof.Oaxiac Odéz , seus asseclas e suas seguidoras  devoram um casal em uma mesa de banquete ao som de "Aleluia" de Handel.



Outro caso de doença familiar aparece em "Frightmare" (1974) de Pete Walker. Uma senhora inglesa (Sheila Keith) sai de um asilo psiquiátrico aparentemente curada de seu canibalismo, mas volta a exercer suas atividades "culinárias". Logo, Debbie (Kim Butcher), uma de suas filhas, também resolve aprender a cozinhar com a mamãe e ...vizinhos, passantes e a filha "normal" da família (Deborah Fairfax) são pratos em potencial.







Prostitutas que devoram (literalmente) seus clientes apareceram no trash-gore rodado em vídeo "Cannibal Hookers" (1987) de Donald Farmer. Aqui também parece ser uma seita que inicia jovens estudantes na arte da antropofagia, e existe um serviçal-mudo-brutamontes chamado Lobo (Gary Levinson), referência ao personagem de Tor Johnson em filmes dos anos 50.





 "Trouble Every Day" ( Desejo Insaciável, 2001) de Claire Denis, conta a hitória da voraz  e predadora  Coré ( Béatrice Dalle, de Betty Blue ), que é cuidada em uma casa isolada em Paris por seu namorado, o cientista errante Leo ( Alex Descas ) . Ela escapa periodicamente, seduz motoristas à beira da estrada e metodicamente devora suas vítimas . Seu destino está ligado a um médico americano ( Vincent Gallo ) em sua lua de mel em Paris e que tem fantasias masturbatórias violentas com sua linda noiva (Tricia Vessey) coberta de sangue. 


Tudo tem a ver com experimentos secretos com a libido, mas o filme de Denis, humaniza os "monstros devoradores", tratando o canibalismo não como um ato doentio ou místico, e sim como resultado de impulsos internos inconscientes.



O canibalismo como ritual místico e familiar, aparece muito bem em "We Are What We Are" (Somos o Que Somos, 2013) de Jim Mickle. A saudável e benevolente família Parker, vive de um modo um pouco recluso. Quando a matriarca morre, Frank (Bil Sage), o fervoroso pai, incumbe as duas filhas Rose e Iris (Julia Garner e Ambyr Childers) de continuar a tradição centenária que mantêm a família: o canibalismo.



Ótima refilmagem de "Somos Lo Que Hay" (2010) do mexicano Jorge Michel Grau. Mais do que um filme de terror ou exploitation, é sobre o que o " canibalismo baseada na fé " representa. Leis religiosas excessivamente devotas ou inflexíveis são claramente um dos alvos do filme, mas também o são os temas como  o amor, a lealdade, a fé, a moral, e a boa e velha questão da "natureza versus criação".
  Nós nascemos bons e, em seguida, aprendemos o mal? Ou nascemos uma folha em branco sobre a qual nada pode ser escrito ? O que acontece quando decência humana básica entra em conflito com o que uma criança apreende ? 




Canibalismo: Crime hediondo? Perversão? Sobrevivência? Tara? Questão religiosa? Impulsos primais? 
 Vontade de ser devorado por "elas" ?...........................? 




                                                                                                              by Coffin Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...