quarta-feira, 11 de junho de 2014

Rape & Revenge : O Dia da Vítima! (Parte 2)

O estupro é um tema constante no cinema asiático, dos filmes chanbara e pinku japoneses ao cinema CAT III de Hong Kong. "Shurayukihime" (Lady Snowblood, 1973) de Toshiya Fujita, já falava de uma garota gerada e treinada para vingar sua mãe que fora estuprada por uma gangue de marginais que também mataram seu pai. Um filme clássico japonês de luta de espadas e vingança, que inspirou Tarantino a fazer "Kill Bill". Mas nem sempre o estupro é seguido de punição no cinema oriental, principalmente no Japão. Existe até o caso da série de filmes japoneses com o personagem The Rapeman , um professor cuja identidade secreta é a de um herói que faz justiça através da violência sexual!



                                                    The Rapeman em ação!

Como o gênero é muito extenso no oriente, vamos falar de dois exemplares vindos de Hong Kong:

"Xue Mei Gui" (Her Vengeance, 1988) de Ngai Kiai Lam.
Kit- Ying ( Pauline Wong ) trabalha em uma boate, e uma noite se mete em uma briga com cinco marginais violentos e ladrões.



 Ao sair da boate, Kit-Ying é arrastada para um cemitério onde é brutalmente estuprada. Mais tarde ela descobre que contraiu AIDS do estupro e seguindo a sugestão de sua irmã cega, procura seu velho tio Hsiung (interpretado pelo grande, já falecido Lam Ching Ying ), cadeirante mas mais do que hábil em artes marciais. Com a ajuda do tio, a garota planeja seu confronto e vingança contra os bandidos .





"Her Vengeance" é um filme categoria III do diretor responsável pelo incrivelmente sangrento e  insano "Riki Oh",/"The Story Of Ricky"...

"Yeuk Saat" (Red To Kill, 1994) de Billy Tang Hin-Shing.
 Chi Wai Chan (Ben Ng) dirige uma casa para doentes mentais, ele também esconde um segredo obscuro, traumatizado como uma criança, agora ele enlouquece quando vê a cor vermelha, tornando-se um estuprador violento.

 Um dia, Ming Ming (Lily Chung) uma garota órfã com a idade mental de 12 anos é trazida para a casa. Após Chi ver a menina duas vezes vestindo vermelho, acaba estuprando-a barbaramente. 




Ming Ming conta tudo para  sua assistente social e amiga  Ka Lok Cheung (Money Lo), mas o homem escapa da justiça e passa a persegui-la. A assistente social e a garota tramam uma chocante vingança contra o  canalha estuprador.





         "A Gun for Jennifer" (1997) de Todd Morris.



 Uma bela jovem (Deborah Twiss, a ms.Zane de "Kick-Ass: Quebrando Tudo") que vai de Ohio para Nova York para fugir do marido violento, e quase imediatamente se torna vítima de estupradores . 



Surge então uma van cheia de garotas duronas que matam os estupradores, sem hesitar. As meninas  trabalham juntas em uma boate e, cansadas com a quantidade infinita de casos de estupro não resolvidos e outros atos de violência contra as mulheres, decidiram formar uma espécie de grupo de vigilantes que vaga pelas ruas à noite castrando e matando os agressores.


 Não tendo nenhum lugar para ir ela assume o nome falso de Jennifer  e junta-se à gangue. Ela gradualmente é sugada para um mundo de vingança e violência e ainda existe o perigo da fanática detetive de polícia Perez descobrir suas identidades.



 Ele foi rodado em um estilo retro grindhouse (muito antes de Tarantino/Rodriguez) e estreou no  circuito de festivais de cinema fantástico e gêneros, em julho de 1997, onde foi recebido com muitos elogios do público. O filme teve diversos problemas na sua distribuição: o tema foi abordado no documentário "In the Belly of the Beast", que detalha como Morris e Twiss descobriram que a intenção do produtor do filme ( que Twiss conheceu enquanto trabalhava como dançarina exótica em uma boate ) era apenas desviar dinheiro...


"Baise Moi"(2000) de Virginie Despentes e Coralie Trinh Thi 
Nadine (Karen Lancaume) e Manu (Raffaëla Anderson) perdem a sua última relação tênue com a sociedade: Manu é estuprada e acaba matando o próprio irmão e Nadine (que trabalha como prostituta) vê seu único amigo (um traficante de drogas) ser baleado e também mata para roubar. Depois de um encontro casual, elas embarcam em uma viagem explosiva de sexo e assassinato.



 Talvez como uma vingança contra os homens, talvez como uma revolta contra a sociedade burguesa, mas, certamente, em uma negação - quase alegre em sua violência sem sentido - de todos os códigos de uma sociedade que as excluiu, estuprou e humilhou.



 Polêmico por sua violência gratuita, cenas de sexo explícito (as atrizes são performances pornôs), e principalmente pela cena de estupro - Realista, explícita e...erótica!



"Irréversible" (Irreversível, 2002) de Gaspar Noé.
De trás para frente, o filme mostra o ódio e a vingança de Marcus e Pierre (Vincent Cassel e Albert Dupontel), que no submundo das ruas de Paris, procuram quem estuprou e espancou Alex (Monica Belucci), namorada de um ex-namorada do outro.




 A narrativa volta passo a passo no tempo para mostrar como a dupla descobre o nome do autor do crime, recuando até o próprio estupro (cena chave do filme e polêmica com seus 11 longos minutos de violência realista) e os eventos que o antecederam.






O confronto de Marcus com o suposto estuprador é mostrado como em um filme de terror gore, utilizando maquiagem especial e efeitos de CGI. Filme que deu notoriedade ao argentino Gaspar Noé, diretor dos curtas polêmicos "Carne" (1991) e "Sodomites" (1998) e do premiado longa "Sozinho Contra Todos" (1998).




                                                          CONTINUA...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...